O estar ‘montada’: a Rua dos Andradas além do sexo como mercadoria

Diego Pontes Gonçalves

Resumo


O trabalho visa compreender, sob uma ótica etnográfica, como se faz a dinâmica da Rua dos Andradas e como se dão as relações entre os/as atores/atrizes envolvidos/as, sejam de afeto, conflito ou de poder, além de suas simbologias carregadas de peculiaridades e como elas são interpretadas e ganham significados no espaço em questão. Localizada na área central de Campos dos Goytacazes, interior do estado do Rio de Janeiro, tal rua abriga a área de prostituição travesti da cidade, que está marcada historicamente por ser a última do Brasil a abolir a escravidão e por ainda possuir fortes traços tradicionais de comportamento. Buscando apoio teórico nos estudos queer, a ideia da construção da identidade de gênero ganha valor, e os discursos que nos fazem pensar as categorias de gênero são colocados em xeque. Entendendo que xs sujeitxs contemporâneos trazem consigo marcas das diversidades e das movimentações, o trabalho ao mesmo tempo em que permite que seja aberto um campo reflexivo para questões acerca da pluralidade, propõe uma reavaliação das ‘lógicas’ que guiam as estruturas do campo da sexualidade no caso analisado, o que nos leva a pensar além dos limites dos corpos, da moral, das boas maneiras, enfim, do que é permitido ou não.

Palavras-chave


Travesti; Identidade; Teoria Queer

Texto completo:

PDF