Educação, Trabalho e Desenvolvimento Sustentável: a Rede Federal de Educação Profissional Científica e Tecnológica em destaque

Luiz Augusto Caldas Pereira

Resumo


A abordagem do tema utiliza como pano de fundo a evolução do conceito de desenvolvimento, sua forma de assimilação no Brasil do pós-guerra e sua repercussão nas políticas de Educação Profissional e Tecnológica – EPT, com destaque para aquelas aplicadas à atual Rede Federal de Educação Profissional Científica e Tecnológica para, em seguida, provocar reflexões a respeito das alternativas colocadas para os Institutos Federais de Educação Ciência e Tecnologia (e a Educação Profissional e Tecnológica) frente aos desafios políticos, conceituais e funcionais atuais no âmbito da EPT. Nesta linha, estarão em pauta diferentes visões de desenvolvimento: uma primeira, apoiada nos princípios da teoria econômica neoclássica; a segunda, baseada no pensamento dos economistas da CEPAL (Comissão Econômica para a América Latina – órgão vinculado à Organização das Nações Unidas – ONU); uma terceira, referenciada na formulação dos chamados economistas “dependentistas” (economistas adeptos da “teoria da dependência” que surgiu no meado dadécada de sessenta); uma quarta, vinculada ao conceito de “ecodesenvolvimento” [,] apresentado [a] em 1972 e, por fim, o conceito de “desenvolvimento sustentável” dos anos oitenta. Ao lado disso, destacamos a relação entre as políticas de desenvolvimento e as da educação profissional trazendo para o centro das discussões a rede de escolas federais. A trajetória dessas instituições de formação profissional está intimamente imbricada, ou mesmo determinada, pela opção política do país pelo modelo de desenvolvimento que, a partir dos anos de 1940, se afirma na hegemonia industrial capitalista. Assim, é com base na análise da relação entre as políticas de desenvolvimento e as da educação profissional e tecnológica aplicadas à Rede Federal e ainda ao conceito de desenvolvimento sustentável, que se deve compreender a emergência e a importância dos Institutos Federais que discutimos e outras e multidirecionais possibilidades que se colocam no âmbito da relação EPT e desenvolvimento.