Avaliação da Eficiência das Unidades de Tratamento Simplificado da Água na Região Serrana do Município de Macaé

  • Patricia Silva Toledo Carvalho Gouvea Instituto Federal Fluminense (IFF), Macaé/RJ
  • Maria Inês Paes Ferreira Instituto Federal Fluminense (IFF), Macaé/RJ
Palavras-chave: Poluição hídrica, Doenças de veiculação hídrica, Abastecimento de água

Resumo

Associada ao aumento da poluição dos corpos hídricos, a crescente demanda por água coloca em risco a saúde de seus usuários. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), 80% das doenças provêm de água contaminada. Na região serrana do município de Macaé, em 2002, houve ocorrência de doenças de veiculação hídrica (hepatite). Assim, neste trabalho são avaliadas as técnicas de tratamentos da água empregadas e a qualidade da água captada e distribuída para abastecimento público das regiões Bicuda Grande, Óleo e Frade, que possuem sistemas de tratamento simplificado, com vistas a propor alternativas que minimizem os riscos à saúde da população.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Patricia Silva Toledo Carvalho Gouvea, Instituto Federal Fluminense (IFF), Macaé/RJ
Mestranda em Engenharia Ambiental no Programa de Pós-Graduação em Engenharia Ambiental do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Fluminense Campus Macaé/RJ – Brasil.
Maria Inês Paes Ferreira, Instituto Federal Fluminense (IFF), Macaé/RJ
Doutorado em Ciência e Tecnologia de Polímeros pela Universidade Federal do Rio de Janeiro e Pós-doutorado em Gestão Integrada dos Recursos Naturais pelo Instituto de Pesquisa da Reserva da Biosfera Mount Arrowsmith da Vancouver Island University. Docente no Programa de Pós-Graduação em Engenharia Ambiental do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Fluminense Campus Macaé/RJ – Brasil.

Referências

AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS. ANA. Superintendência de Planejamento de recursos hídricos. Programa da qualidade das águas superficiais no Brasil, 2005. Brasília, 2005.

AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUA. ANA. Superintendência de Planejamento de Recursos Hídricos. Panorama da qualidade das águas superficiais no Brasil. Brasília, 2010.

AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUA. ANA. Superintendência de Planejamento de Recursos Hídricos. Panorama da qualidade das águas superficiais no Brasil. Brasília, 2012.

ALMEIDA, P. G. A. Investigando a injustiça ambiental no Brasil: conflitos ambientais e riscos à saúde nos bairros Nova Holanda e Nova Esperança no município de Macaé, RJ. 2010. Dissertação (Mestrado em Engenharia Ambiental) – Instituto Federal Fluminense, Macaé, 2010.

AMARAL, K. Estuário do Rio Macaé: modelagem computacional como ferramenta para o gerenciamento integrado de recursos hídricos. 2004. Dissertação (Mestrado) - COPPE/UFRJ, Rio de Janeiro, 2004.

APLINO, O. S. Compartimentação Topográfica do Alto Curso da Bacia do Rio Macaé: Subsídio ao entendimento da Relação Relevo, Recursos Hídricos.

AVALIAÇÃO 2001. Informe Regional sobre a Avaliação 2000 na Região das Américas: Água Potável e Saneamento, Estado Atual e Perspectivas. 2001. Disponível em: www.Cepis.ops-oms.org. Acesso em: 12 jul. 2001.

BERNARDO, L. D. Tecnologia de Tratamento. In: BERNARDO, L.D. Métodos e Técnicas de Tratamento de Água. 2. ed. São Paulo: Editora RIMA, 2005. Parte 2.

BOTTEGA, J. M. P. R; SILVA, M. E. Métodos analíticos no controle biológico da água para consumo humano. Revista ciência agrotec., v. 30, n. 05. 2006. Disponível em: www.editora.ufla.br/site/adm. Acesso em: 17 maio 2011.

BRAGA, B. Introdução à engenharia ambiental: o desafio do desenvolvimento sustentável. 2ª. ed. rev. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2005.

BRASIL. Lei nº 9.433, de 8 de janeiro de 1997. Institui a Política Nacional de Recursos Hídricos, cria o Sistema Nacional de Gerenciamento de Recursos Hídricos.

BRASIL. Conselho Nacional de Meio Ambiente. CONAMA. Resolução no. 357, de 17 de março de 2005. Dispõe sobre a classificação dos corpos de água e diretrizes ambientais para seu enquadramento.

BRASIL. Ministério da Saúde. Integração de ações de vigilância. Brasília, 2007.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 291, de 12 dezembro 2011. Estabelece os procedimentos e responsabilidades referentes ao controle e vigilância da qualidade da água para consumo humano.

CAMPOS, J. N. B.; STUDART, T. M. C. Hidrologia de reservatório: A construção de uma teoria. Fortaleza: Expressão gráfica, 2003.

CARNEIRO, C. L; QUEIROGA, I. Ocorrência de coliformes totais na presença de cloro residual mínimo no sistema de distribuição público de água potável da cidade de Abadia, GO. 2002. Disponível em: www.newlab.com.br. Acesso em: 28 abr. 2011.

CETESB. Companhia de tecnologia de saneamento ambiental de São Paulo. Índice de qualidade da água. 2004. Disponível em: www.cetesb.sp.gov.br/indices-de-qualidade. Acesso em: 10 fev. 2011.

CRESPO, T. Planeta Água: Um guia de educação ambiental para conservação de recursos hídricos. Rio de Janeiro: Papel Virtual, 1998.

DANIEL, L. Métodos Alternativos de desinfecção da água. PROSAB, 2005.

DOMINGOS, E. Q. Gerenciamento de Resíduos Associado à Gestão de Recursos Hídricos: Levantamento de Indicadores de Saneamento Ambiental para um Bairro no Município de Conceição de Macabu-RJ. 2008. Dissertação (Mestrado em Engenharia Ambiental) – Instituto Federal Fluminense, Macaé, 2008.

DREW, D. Processos Interativos Homem-Meio Ambiente. 4. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2002.

FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE. FUNASA. Manual de Saneamento. 3 ed. rev. Brasília: Funasa, 2006.

GASPAR, J. A. Isolamento e identificação de micobactéria e microorganismo de contaminação em águas tratadas provenientes do sistema de abastecimento público de Araraquara, SP. 2010. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Ciências Biológicas) – Universidade Estadual Paulista. UNESP, 2010. Disponível em: www.posgraduação.fcfar.unesp.br. Acesso em: 26 dez. 2011.

GRANZIERA, M. L. M. Direito de Águas: disciplina jurídica das águas doces. São Paulo: Atlas, 2001.

GRASSI, L. A. T. Direito à água. Porto Alegre, 1994. Seção Câmara Técnica de Recursos Hídricos. Disponível em: www.abes-rs.org.br/rechid/direito-a-agua.htm. Acesso em: 17 jun. 2011.

IBGE. Presidência. Notícias. Disponível em http://www.ibge.gov.br/home/presidencia/noticias/noticia. Acesso em: 18 maio 2011.

IBGE. Pesquisa Nacional de saneamento básico: Rio de Janeiro. Disponível em: www.ibge.gov.br. Acesso em: 11 abr. 2011.

JUSTO, M. C. D. M. Financiamento do saneamento básico no Brasil: uma análise comparativa da gestão pública e privada. 2004. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Econômico Ambiental) – UNICAMP, 2004.

LANNA, A. E. L. Gerenciamento de bacia hidrográfica: Aspectos conceituais e metodológicos. Brasília. 2000.

LORENTZ, J. F; MENDES, P. A. B. A água e sua distribuição espacial. Revista das águas, ano 3, n. 8, mar 2008. Disponível em: http://revistadasaguas.pgr.mpf.gov.br/edicoes-da-revista/edicao-atual/ml. Acesso em: 15 jun. 2011.

MACAÉ. Prefeitura Municipal de Macaé. Programa Macaé Cidadão: Pesquisa domiciliar 2006 e 2007.

MACAÉ. Prefeitura municipal de Macaé. SEMASA. AMPLA: Cadastro de residências e estabelecimentos na região serrana de Macaé, 2010.

MACHADO, C. J. S. Recursos Hídricos e cidadania no Brasil: Limites, Alternativas e Desafios. Ambiente e Sociedade, v. 7, n. 2, 2003.

MAGALHÃES JR., A. P. A situação do monitoramento da água no Brasil: instituições e iniciativas. RBRH-Revista brasileira de recursos hídricos, v. 5, n. 3, 2010. Disponível em: www.abrh.org.br. Acesso em: 21 mar. 2011.

MAZZOLA, M. Situação do monitoramento de qualidade da água no Brasil. ANA, 2009. Disponível em: www.ana.gov.br. Acesso em 02 de mar 2011.

MENEZES, F. E. Bacias secundárias. 2003. Disponível em: www.frigolleto.com.br. Acesso em: 21 jun. 2011.

MIERZWA, F. A poluição das águas. 2001. Disponível em: www.phd.poli.usp.br. Acesso em: 02 abr. 2011.

MORGADO, A. F. Águas naturais. 1999. Disponível em: http://lema.enq.ufsc.br. Acesso em: 13 maio 2011.

MORTIMER, E. F. O significado das fórmulas químicas. Química Nova na Escola, n. 3, maio 1996. Disponível em: http://qnesc.sbq.org.br/online/qnesc03/conceito.pdf. Acesso em: 21 maio 2011.

MOTTA, R. S. Demanda por água e custo de controle da poluição hídrica nas indústrias. 2004. Disponível em: www.rg.br. Acesso em: 10 jun. 2011.

OMS. Igualdade de saúde através de ação sobre seus determinantes sociais, 2010. Disponível em: www.oms.org. Acesso em: 12 jun. 2011.

PECORA, I. L. Doenças de veiculação hídrica. 2009. Disponível em: http://www.ambiente.sp.gov.br. Acesso em: 10 jan. 2011.

PEREIRA, R. S. Poluição hídrica: causas e consequências. Porto Alegre: UFRGS, Instituto de Pesquisas Hidráulicas, 2004.

PINHEIRO, M. R. C. Avaliação da qualidade da água na Bacia Hidrográfica do Rio Macaé e aplicação do índice de qualidade de água. 2008. 152 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Ambiental) – Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Fluminense, Macaé, 2008.

RESSIGUIER, J. H. B. Atividade petrolífera e impactos no espaço urbano do município de Macaé, RJ. 2001. Dissertação (Mestrado em Engenharia Ambiental) - Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Fluminense, Macaé, 2001.

SALOMÃO, L. A. Ensaios bacteriológicos de águas de abastecimento público. São Paulo: ABES, 2005.

SILVA, G. S; JARDIM, W. F. Um novo índice de qualidade da água para proteção da vida aquática aplicado ao rio Atibaia. Revista Química Nova, v. 29, n. 04, 2006.

SILVEIRA, E. L. C. et al. Determinação de contaminantes de óleos em esgoto. Revista Química Nova, v. 29, n. 05, 2006. Disponível em: http.quimicanova.sbq.org.br. Acesso em: 13 abr. 2011.

TAGUCHI, C. A guerra da água. 2006. Disponível em: www.terrazul.com.br. Acesso em: 06 jul. 2011.

TUCCI, C. E. M. Hidrologia, ciência e aplicação. 2. ed. São Paulo: ABRH, 2001.

TUNDISI, J. G. Água no século XXI: enfrentando a escassez. São Carlos, SP: RIMA, 2005

UNESCO. Relatório Mundial sobre a Água. 2003. Disponível em: www.unesco.pt/cgi-bin/ciencia/temas/cie_tema.ph. Data de acesso em: 21 mar. 2011.

VIEIRA, R. M. A importância do uso de sondas multiparométricas. 2010. Disponível em: www.agsolve.com.br. Acesso em: 1 jul. 2011.

Publicado
27-06-2019
Como Citar
GOUVEA, P. S. T. C.; PAES FERREIRA, M. I. Avaliação da Eficiência das Unidades de Tratamento Simplificado da Água na Região Serrana do Município de Macaé. Boletim do Observatório Ambiental Alberto Ribeiro Lamego, v. 13, n. 1, p. 43-67, 27 jun. 2019.
Seção
Artigos originais