Avaliação da qualidade da água em canal do estuário do Rio Paraíba do Sul, norte do Rio de Janeiro

Palavras-chave: Manguezal, Qualidade Ambiental., Impacto Ambiental

Resumo

As áreas costeiras, inclusive os manguezais, sofrem diversos impactos oriundos da expansão urbana nos litorais que muitas vezes ocorre de forma irregular e sem adequado planejamento, culminando com a precariedade ou falta de saneamento básico, com o descarte de efluentes in natura nos manguezais. O objetivo foi de avaliar a qualidade ambiental utilizando parâmetros microbiológicos, coliformes totais e termotolerantes, e físico-químicos da água de dois pontos com diferentes graus de urbanização do manguezal de Gargaú, Norte Fluminense. Utilizou-se o Método dos Tubos Múltiplos para quantificação de coliformes totais e termotolerantes e potenciômetros para análise dos parâmetros físico-químicos (condutividade elétrica, oxigênio dissolvido, pH, salinidade e temperatura). Não houve diferença estatística entre os dois pontos amostrais. As médias de todos os parâmetros físico-químicos são similares às encontradas na literatura, exceto para as concentrações de oxigênio dissolvido. Os resultados de coliformes totais e termotolerantes apresentaram correlações significativas com os pH e temperatura. O ponto 1 tem afetado o ponto 2. É necessário ações de conservação devido sua importância para o equilíbrio ecossistêmico e comunidade local.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Juliana Santos Alves de Souza, Instituto Federal Fluminense
Engenheira Ambiental e Pós-graduanda em Gestão e Sustentabilidade de Recursos hídricos pelo Instituto Federal Fluminense - Brasil.
Marianna de Queiroz Louro de Oliveira, Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro
Doutorado em Ecologia e Recursos Naturais pela Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro - Brasil.
Publicado
27-12-2020
Como Citar
SOUZA, J. S. A. DE; OLIVEIRA, M. DE Q. L. DE. Avaliação da qualidade da água em canal do estuário do Rio Paraíba do Sul, norte do Rio de Janeiro. Boletim do Observatório Ambiental Alberto Ribeiro Lamego, v. 14, n. 2, p. 422-441, 27 dez. 2020.
Seção
Artigos originais