Cálculo da Pegada Ecológica do município de João Monlevade (MG) pelo Método Convencional

Palavras-chave: Pegada Ecológica, Sustentabilidade, Indicador Ambiental, Impacto Ambiental

Resumo

A Pegada Ecológica (PE) é a medida da carga imposta por uma população sobre a natureza, e representa a área de sustentação dos níveis de consumo dos recursos e geração de dejetos. O objetivo do trabalho foi calcular e avaliar a PE do município de João Monlevade-MG. Para o cálculo foi utilizado o método convencional proposto por Wackernagel e Rees na década de 90, baseado na soma da pegada das variáveis, calculadas da média anual de itens de consumo de dados agregados dividindo o consumo total pelo tamanho da população, subtraídos da Biocapacidade. João Monlevade Biocapacidade e PE de 0,048 e 0,643 há/hab, respectivamente, e, portanto, o consumo local ultrapassa a capacidade suporte do ambiente natural, e torna-se necessário um planejamento ambiental adequado para o município. A maior pegada foi referente a emissão de CO2 pela queima de combustíveis fósseis, 0,47 há/hab., indicando a necessidade da implementação de medidas mitigadoras. Conclui-se que cálculo da PE do município, aponta caminhos mais sustentáveis para melhor qualidade de vida da população. No entanto, requer aperfeiçoameto do cálculo, definindo outros indicadores relevantes, e análise cuidadosa dos dados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Rosa Aon Cardoso Fernandes, Universidade Federal do Rio de Janeiro
Doutoranda em Engenharia Ambiental pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Mestra em Ciência Ambientais pela Universidade Estadual Paulista - Sorocaba/SP. 
Cataryna Raisa Lage Morais, Universidade do Estado de Minas Gerais
Engenheira Ambiental pela Universidade do Estado de Minas Gerais (UEMG) – João Monlevade/MG – Brasil.
Júlia Araújo Camargo, Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri
Bacharelanda em Engenharia Civil pela Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM) Campus do Mucuri – Teófilo Otoni/MG – Brasil.
Núbia Aparecida de Aguilar
Bacharelanda em Ciência e Tecnologia pela Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM) Campus do Mucuri – Teófilo Otoni/MG – Brasil.
Elton Santos Franco, Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM) / Instituto de Ciência, Engenharia e Tecnologia (ICET).
Graduação em Engenharia Ambiental pela Universidade Federal de Ouro Preto. Mestrado em Engenharia Ambiental pela Universidade Federal de Ouro Preto. Doutorado em Saneamento, Meio Ambiente e Recursos Hídricos pela Universidade Federal de Minas Gerais. Professor/Pesquisador da Instituto de Ciência, Engenharia e Tecnologia (ICET), Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM) - Brasil.
Luan Brioschi Giovanelli, Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri
Doutor em Engenharia Agricola  pela Universidade Federal de Viçosa (UFMG). Professor/Pesquisador no Instituto de Ciência, Engenharia e Tecnologia (ICET) da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM) Campus do Mucuri – Teófilo Otoni/MG – Brasil.
Izabel Cristina Marques, Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri
Mestre em Ciência Florestal pela Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM - Campus JK). Professora/ Pesquisadora no Instituto de Ciência, Engenharia e Tecnologia (ICET) da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM) Campus do Mucuri – Teófilo Otoni/MG – Brasil.
Aurelia de Cássia Ferreira Hespanho
Especialista em Inglês pelo ALCC – Nova Iorque – EUA. Professora de Língua Portuguesa e Língua Estrangeira Moderna Inglês em Escolas Estaduais – Belo Horizonte/MG – Brasil
Nayara Rodrigues Marques Sakiyama, Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri
Doutoranda em Engenharia Civil na Universidade de Stuttgart (Alemanha). Professora/Pesquisadora no Instituto de Ciência, Engenharia e Tecnologia (ICET) da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM) Campus do Mucuri – Teófilo Otoni/MG – Brasil.
Luciene Alves Batista Siniscalchi, Universidade Federal de Lavras
Doutora em Saneamento, Meio Ambiente e Recursos Hídricos pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Professora/Pesquisadora no Departamento de Recursos Hídricos e Saneamento da Universidade Federal de Lavras (UFLA) – Lavras/MG – Brasil.
Publicado
31-12-2020
Como Citar
FERNANDES, A. R. A. C.; MORAIS, C. R. L.; CAMARGO, J. A.; AGUILAR, N. A. DE; FRANCO, E. S.; GIOVANELLI, L. B.; MARQUES, I. C.; HESPANHO, A. DE C. F.; SAKIYAMA, N. R. M.; SINISCALCHI, L. A. B. Cálculo da Pegada Ecológica do município de João Monlevade (MG) pelo Método Convencional. Boletim do Observatório Ambiental Alberto Ribeiro Lamego, v. 14, n. 2, p. 302-320, 31 dez. 2020.
Seção
Artigos originais

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##