Climatologia das Chuvas e Efeitos Antrópicos da Urbanização na Bacia do Rio Acre, Amazônia Ocidental

Autores

  • Alejandro Fonseca Duarte Universidade Federal do Acre

DOI:

https://doi.org/10.19180/2177-4560.v11n12017p199-213

Palavras-chave:

Amazônia Ocidental. Rio Acre. Alagações.

Resumo

No inverno amazônico dos anos 2012, 2014 e 2015, o rio Acre experimentou enchentes, que ocasionaram alagações com severos impactos sociais e econômicos em bairros alagadiços e áreas agrícolas. Essas enchentes foram adjetivadas de históricas pelos governos, e a alagação de 2015 foi classificada de recorde. Essas e outras alagações obedecem à recorrência do período das chuvas na sua sazonalidade anual e de mais longo prazo. Em 2016 o mesmo rio mostrou níveis baixíssimos de seu fluxo de água. A sedimentação e o assoreamento, nas margens e leito do rio Acre, influenciam nas medições registradas pelas réguas limnimétricas e pelos sensores de nível, por efeito da elevação e da redução adicional das águas. Esse efeito pode significar erros da ordem de metros na determinação do nível do rio. Desta forma, busca-se evidenciar as perturbações que afetam a relação entre chuvas e vazões. Com isso, chamar a atenção para os impactos que ocasiona a urbanização e a falta de planejamento, particularmente na cidade de Rio Branco, sobre o escoamento superficial das águas pluviais. Quanto às precipitações, não obstante a ocorrência de eventos extremos característicos na região, não foram observadas diferenças nas climatologias, em mais de cinquenta anos.  

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alejandro Fonseca Duarte, Universidade Federal do Acre

Doutor em Ciências Físicas. Professor Titular da Universidade Federal do Acre (UFAC), Rio Branco/AC - Brasil. E-mail: fd.alejandro@gmail.com

Downloads

Publicado

30-10-2017

Como Citar

DUARTE, A. F. Climatologia das Chuvas e Efeitos Antrópicos da Urbanização na Bacia do Rio Acre, Amazônia Ocidental. Boletim do Observatório Ambiental Alberto Ribeiro Lamego, [S. l.], v. 11, n. 1, p. 199–213, 2017. DOI: 10.19180/2177-4560.v11n12017p199-213. Disponível em: https://essentiaeditora.iff.edu.br/index.php/boletim/article/view/7609. Acesso em: 4 fev. 2023.

Edição

Seção

Artigos originais