Gestão na Implantação de projeto de Aterro Sanitário: estudo de caso no município de Nova Iguaçu/RJ

  • Rafael Silva Cordeiro Instituto Federal Fluminense
  • Augusto Eduardo Miranda Pinto Instituto Federal Fluminense
Palavras-chave: Aterro, Recursos, Ecologia

Resumo

A globalização trouxe uma integração em aspectos econômicos, políticos e sociais entre os países, gerando um dinamismo ímpar para a humanidade, ao mesmo tempo que evidencia um desafio para os gestores, que cada vez mais devem conhecer a amplitude desse processo de interação. Buscou-se nesta pesquisa trabalhar a política de sustentabilidade em relação ao projeto de implantação de aterro sanitário, apontando o desenvolvimento multilateral. Baseou-se em métodos exploratório-descritivos, com revisão bibliográfica e estudo de caso. Os resultados a serem apresentados permitiram contribuir para a compreensão do tema e da logística política e social.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rafael Silva Cordeiro, Instituto Federal Fluminense
Mestrando em Engenharia Ambiental (IFF). Engenheiro de Produção (FeMASS) - Macaé
Augusto Eduardo Miranda Pinto, Instituto Federal Fluminense
Graduação em Direito pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (2004), mestrado em Educação Tecnológica pelo Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca (1998), mestrado em Direito pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (2007), doutorado em Direito da Cidade pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (2012) e pós doutoramento em direitos humanos pela Universidade de Coimbra -Centro de Direitos Humanos. 

Referências

ARAÚJO, A. C. P. Como comercializar os Créditos de Carbono. São Paulo: Trevisan, 2007. 47 p.

BRASIL. [Constituição (1988)]. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF: Senado Federal, Centro Gráfico, 1988. 292 p.

BRASIL. Ministério da Ciência e Tecnologia. Anexo III Sustentabilidade Ambiental do Projeto Nova Gerar. Rio de Janeiro: Ecosecurities, dez. 2004. Disponível em: https://www.mctic.gov.br/mctic/export/sites/institucional/ciencia/SEPED/clima/mecanismo_de_desenvolvimento_limpo/submetidos/aprovados_termos_resolucao_1/publicacoes/01/A nexo-III-da-Resolucao-n1.pdf. Acesso em: 23 set. 2014.

BRASIL. Ministério da Ciência e Tecnologia. Protocolo de Quioto. Texto editado e traduzido pelo Ministério da Ciência e Tecnologia com apoio do Ministério das Relações Exteriores da República Federativa do Brasil. 1997. Disponível em: http://www.mct.gov.br/upd_blob/0012/12425.pdf. Acesso em: 23 nov. 2014.

BRASIL. Ministério da Ciência e Tecnologia. Status dos projetos no âmbito do MDL no Brasil e no mundo: 1º Período de compromisso do Protocolo de Quioto (2008-2012). Data final da coleta de dados: 12 fev. 2014. Disponível em: https://www.mctic.gov.br/mctic/export/sites/institucional/ciencia/SEPED/clima/arquivos/status_mdl/Status_MDL-1periodoKP.pdf. Acesso em: 23 nov. 2014.

CALSING, R. de A. O Protocolo de Quioto e o direito ao desenvolvimento sustentável. Porto Alegre: Sergio Antonio Fabris, 2005. p. 77.

CASARA, A. C. Direito Ambiental do Clima e Créditos de Carbono. Curitiba: Juruá, 2009. 240 p.

CMMAD. Comissão Mundial sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento. Nosso Futuro Comum. 1. ed. Rio de Janeiro: Editora FGV, 1997.

ECOSECURITIES. Relatório Ambiental e Social do Lixão de Marambaia. Disponível em: http://www.ds.worldbank.org/external/default/WDSContentServer/WDSP/IB/2003/05/23/000094946_03051404055514/Rendered/PDF/multi0page.pdf. Acesso em: 05 jan. 2015.

FARIAS, L. Créditos de carbono. Revista Jus Navigandi, Teresina, ano 13, n. 1789, 25 maio 2008. Disponível em: http://jus.com.br/artigos/11311. Acesso em: 26 nov. 2015.

FERRAZ, S. E. T.; AMBRIZZI, T. Mudanças climáticas globais e regionais: estudo de caso no sul e sudeste do Brasil. In: SANQUETA, C. R.; ZILIOTTO, M. A.; CORTE, A. P. D. (ed.). Carbono: desenvolvimento tecnológico, aplicação e mercado global. Curitiba: Multigrafic, 2006. p. 168-178.

FOXX HAZTEC. Centrais de Tratamento de Resíduos (CTRs). Disponível em: http://haztec.com.br/solucoes-ambientais-completas/index.php/solucoes/centrais-de-tratamento-de-residuos#ctrn. Acesso em: 20 jul. 2015.

HAMMOUD, M. Protocolo de Quioto: Do que se trata. 2011. Portal Ambiente Brasil. Disponível em: http://ambientes.ambientebrasil.com.br/mudancas_climaticas/evolução _do_debates/protocolo_de_quioto%3A_do_que_se_trata.html. Acesso em: 20 abr. 2015.

HINRICHS, R. A.; KLEINBACH, M. Energia e Meio Ambiente. São Paulo: Pioneira Thomson, 2003.

HOMERO, V. Tratamento Ambiental de resíduos transforma lixo em eletricidade. Disponível em: http://www.faperj.br/?id=910.2.2. Acesso em: 01 jul. 2015.

KORNEXL, W. Nova Iguaçu faz primeiro registro mundial de MDL. Revista Eletrônica ECO 21, Rio de Janeiro - RJ, n. 96, p. 8-9, 2004. Disponível em: http://www.eco21.com.br/textos/textos.asp?ID=952. Acesso em: 06 abr. 2015.

LIMIRO, D. Créditos de Carbono: Protocolo de Quioto e Projetos de MDL. Curitiba: Juruá, 2012. 170 p.

MILARÉ, É. Direito do Ambiente: doutrina, jurisprudência. 8. ed. São Paulo: RT, 2013. p. 104.

NOVAGERAR. Projeto de aproveitamento do biogás de aterro sanitário. 2004. Documento de Concepção do Projeto Preparado para a Unidade de Financiamento de Carbono (PCF – Prototype Carbon Fund.) do Banco Mundial.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS (ONU). Declaração sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento. Rio de Janeiro, 1992. Disponível em: www.neppdh.ufrj.br/onu3-4.html. Acesso em: 14 fev. 2011.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS (ONU). Declaração da Conferência da ONU sobre o Meio Ambiente Humano Declaração de Estocolmo. Estocolmo, 1972. Disponível em: www.facol.com/expofacol/biblioteca /Declaração%20de%20Estocolmo.doc. Acesso em: 14 fev. 2011.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS (ONU). Organização das Nações Unidas. ONU e o Meio Ambiente. 2014. Disponível em http://nacoesunidas.org/acao/meio-ambiente. Acesso em: 06 out. 2015.

SANTILLI, J. Socioambientalismo e novos direitos: proteção à diversidade biológica e cultural. São Paulo: Petrópolis, 2005.

SCARPINELLA, C. D. A. Reflorestamento no Brasil e o protocolo de Quioto. 2002. Dissertação (Mestrado em Energia) – Comissão de Pós-Graduação em Energia, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, 2002.

SEIFFERT, M. E. B. Gestão ambiental: instrumentos, esfera de ação e educação ambiental. São Paulo: Atlas, 2007.

SEIFFERT, M. E. B. Mercado de carbono e Protocolo de Quioto: Oportunidades de Negócio na Busca da Sustentabilidade. 2ª. ed. São Paulo: Atlas, 2013.

Publicado
31-12-2018
Como Citar
CORDEIRO, R. S.; PINTO, A. E. M. Gestão na Implantação de projeto de Aterro Sanitário: estudo de caso no município de Nova Iguaçu/RJ. Boletim do Observatório Ambiental Alberto Ribeiro Lamego, v. 12, n. 2, p. 275-288, 31 dez. 2018.
Seção
Artigos de revisão