Gestão de Resíduos Sólidos e Compostagem Orgânica: Estudo de Caso para Escolha de Tecnologia de Processo em Macaé, Brasil

  • Ana Luiza Rivello Crivelaro Universidade Federal Fluminese
  • Marcos Antonio Cruz Moreira Instituto Federal Fluminense
  • José Augusto Ferreira da Silva Instituto Federal Fluminense
Palavras-chave: Reator biológico, Metodologias de Compostagem, Resíduos orgânicos

Resumo

Os resíduos sólidos têm sido um grande desafio para o poder público. No Brasil, esta problemática tem sido cada vez mais discutida tanto no âmbito jurídico, em normativas e legislações, como também nas práticas de gestão que envolvem sociedade, empresas e instituições de ensino. A promulgação da Política Nacional dos Resíduos Sólidos, no ano de 2010, determinou a desativação dos lixões visando à disposição ambientalmente adequada, em aterros sanitários, dos resíduos cujas possibilidades técnicas e econômicas de tratamento já se esgotaram. De acordo com pesquisa feita pela ABRELPRE (2012), aproximadamente 51,4% dos Resíduos Sólidos Urbanos (RSU) no Brasil são formados por resíduo orgânico, sendo essa fração cabível de tratamento através da compostagem e biodigestão. As Instituições de Ensino possuem papel fundamental no desenvolvimento de novas técnicas, sendo um laboratório de ideias sempre em busca de soluções. Buscou-se com esta pesquisa analisar equipamentos e propor um modelo de planta de compostagem para a gestão de resíduos orgânicos do IFFluminense Campus Macaé. De acordo com a realidade do Instituto, conclui-se que a tecnologia de processo ideal é a constituída por um tambor com perfurações que propiciam melhor aeração.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Luiza Rivello Crivelaro, Universidade Federal Fluminese
Bióloga pós-graduada em Gestão Ambiental e estudante de Engenharia de Produção da UFF
Marcos Antonio Cruz Moreira, Instituto Federal Fluminense
Graduação em Engenharia Eletrônica pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1988), mestrado em Engenharia Elétrica pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1992) e doutorado em Engenharia Elétrica pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2005). Professor Titular do Instituto Federal Fluminense (IFF). Atua nos curso de Engenharia de Controle e Automação e no Mestrado em Engenharia Ambiental do IFF. Desenvolve projetos nas linhas de pesquisa de Energias Renováveis, protótipos inovadores para Engenharia Ambiental, Elementos Finitos e Estatística Aplicada.
José Augusto Ferreira da Silva, Instituto Federal Fluminense
Fez Graduação (1998), mestrado (2001) e doutorado (2006) em Geografia pela Universidade Estadual Paulista (unesp) de Presidente Prudente (SP). No mestrado desenvolveu dissertação com o tema "Recursos de apoio didático-pedagógico na educação ambiental" e no doutorado defendeu tese sobre "Gestão de recursos hídricos e sistemas de informações geográficas: contribuições para a organização sócio-espacial do Pontal do Paranapanema-SP". Iniciou suas atividades profissionais como professor na Universidade do Oeste de Santa Catarina - UNOESC (1998-1999). Foi professor titular de Geografia no ensino fundamental e médio na Escola Pastor Jaconias Leite da Silva (Guarujá, SP), em 2005. Foi diretor da Associação dos Geógrafos Brasileiros Seção Local Presidente Prudente (2002-2005). Fez a coordenação pedagógica do Ensino Médio do Instituto Dom Bosco - Salesiano (Campos dos Goytacazes, RJ), em 2007. Foi professor nos cursos de Pedagogia e Letras na Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Macaé - RJ (FAFIMA), (2005-2008). Atua como professor nos cursos de Mestrado em Engenharia Ambiental (foi coordenador entre 2010 e 2013), Engenharia de Controle e Automação, Técnico em Meio Ambiente do Instituto Federal Fluminense - IFFluminense (http://portal1.iff.edu.br). Atua como professor e coordenador do Mestrado Profissional em Educação Profissional e Tecnológica - ProfEPT - IFFluminense, Atuou no IFFluminense como Pró-Reitor de Pesquisa e Inovação (2012-2016), Reitor Substituto (2015-2016), Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (2013-2016). Participou da Tec Campos (Incubadora de Empresas) como membro do Conselho Diretor (Diretor Financeiro), http://www.teccampos.com.br/, (2013-2016). Desenvolve pesquisas nas áreas de: GEOTECNOLOGIAS APLICADAS A AVALIAÇÃO, GESTÃO E CONSERVAÇÃO AMBIENTAL; GESTÃO E PLANEJAMENTO DE RECURSOS HÍDRICOS; GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E TECNOLOGIAS ASSOCIADAS.

Referências

ABRELPE. Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais. Panorama dos Resíduos Sólidos no Brasil 2011. São Paulo, 2012. 186p.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 13.591: Compostagem. 1 ed. Rio de Janeiro: ABNT, 1996. 4 p.

BLACK, J. T. O projeto da fábrica com futuro. Porto Alegre, RS: Ed. Artes Médicas Sul Ltda, 1991.

BOSCOV, M.E.G. Geotecnia Ambiental. São Paulo: Oficina de Textos, 2008.

BRASIL. Constituição Federal de 1988. Promulgada em 5 de outubro de 1988. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicaocompilado.htm>. Acesso em: jun. 2017.

BRASIL. Lei nº 5.318, de 26 de setembro de 1967. Institui a Política Nacional de Saneamento e cria o Conselho Nacional de Saneamento.

______. Ministério da Saúde. Fundação Nacional de Saúde. FUNASA. Consórcios Públicos e Gestão Associada: Uma alternativa para os serviços públicos de saneamento. Versão preliminar sujeita a revisão e correções. Brasília: FUNASA, 2007. 35p. (Coleção Engenharia de Saúde Pública).

______. Lei nº 10.257, de 10 de julho de 2001. Regulamenta os Arts. 182 e 183 da Constituição Federal, estabelece diretrizes gerais da política urbana e dá outras providências.

______. Lei nº 11.079, de 30 de dezembro de 2004. Institui normas gerais para licitação e contratação de parceria público-privada no âmbito da administração pública.

______. Lei nº 11.107, de 6 de abril de 2005. Dispõe sobre normas gerais de contratação de consórcios públicos e dá outras providências.

______. Lei nº 11.445, de 5 de janeiro de 2007. Estabelece diretrizes nacionais para o saneamento básico; altera as Leis nos 6.766, de 19 de dezembro de 1979, 8.036, de 11 de maio de 1990, 8.666, de 21 de junho de 1993, 8.987, de 13 de fevereiro 1995; revoga a lei nº 6.528, de 11 de maio de 1978; e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 05 de janeiro de 2007.

______. Lei nº 12.305, 02 de agosto de 2010. Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos, altera a Lei nº 9.605, de 12 de fevereiro de 1998; e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 03 de agosto de 2010

______. Decreto-lei nº 248, de 28 de fevereiro de 1967. Institui a Política Nacional de Saneamento Básico, cria o Conselho Nacional de Saneamento Básico e dá outras providências.

CARNEIRO, C. L. Plano de Gerenciamento integrado de resíduos sólidos em um restaurante institucional: uma ferramenta operacional, visando melhorias na gestão ambiental. Holos Environment, [Rio Claro, São Paulo], v. 13, n. 2, p.130-140, 2013.

CORRÊA, H. L.; CORRÊA, C. A. Administração de Produção e Operações. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2009.

CORRÊA, M. P. Estudo de viabilidade para implementação de um centro didático-pedagógico para o gerenciamento integrado de resíduos sólidos no Instituto Federal Fluminense, Campus Macaé. 2015. 82 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Ambiental) - Instituto Federal Fluminense, Macaé, 2015.

D’ALMEIDA, M. L. O.; VILHENA, A. Lixo municipal: manual de gerenciamento integrado. São Paulo: IPT, CEMPRE, 2000.

FERNANDES, F.; SILVA, S. M. C. P. PROSAB: Programa de pesquisa em saneamento básico: Manual prático para a compostagem de biossólidos. Rio de Janeiro: ABES. Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental, 1999.

FIALHO, L. L.; SILVA, W. T.; MILORI, D. M. B. P.; SIMÕES, M. L.; NETO, L. M. Monitoramento químico e físico do processo de compostagem de diferentes resíduos orgânicos. São Carlos: EMBRAPA, nov. 2005. Circular técnica Embrapa.

GUIDONI, L. L. C. et al. Compostagem domiciliar: implantação e avaliação do processo. Revista TECNO-LÓGICA, Santa Cruz do Sul, v. 17, n. 1, p. 44-51, jan./jun. 2013.

GROSSI, M. G. L. Avaliação da qualidade dos produtos obtidos de usinas de compostagem brasileiras de lixo doméstico através de determinação de metais pesados e substâncias orgânicas tóxicas. Tese (Doutorado) – Instituto de Química da Universidade de São Paulo, São Paulo, 1993.

HELLER, L.; CASTRO, J. E. Política Pública e Gestão de Serviços de Saneamento. Ed. Ampl. Belo Horizonte: Editora UFMG; Rio de Janeiro: Editora Fiocruz. 2013.

IPT. Instituto de Pesquisas Tecnológicas. Lixo municipal: manual de gerenciamento integrado. São Paulo: IPT/CEMPRE, 2000.

JACOBI, P.; BESEN, G. Gestão de resíduos sólidos em São Paulo: desafios da sustentabilidade. Estudos Avançados, v.25, p. 71, 2011.

KIEHL, E. J. Fertilizantes orgânicos. Piracicaba: Editora Agronômica Ceres Ltda., 1985. 492 p.

KIEHL, E. J. Manual de compostagem: maturação e qualidade do composto. 4. ed. Piracicaba: E. J. Kiehl, 2004. 173 p.

KIEHL, E. J. Novo fertilizantes orgânicos. 1. ed. Piracicaba: E. J. Kiehl., 2010.

LEITE, W. C. A. Estudo da Gestão de Resíduos Sólidos: uma proposta de modelo tomando a Unidade de Gerenciamento de Recursos hídricos (UGRHI-5) como referência. Tese (Doutorado) - Escola de Engenharia de São Carlos, Universidade de São Paulo, USP, 1997.

LEITE, W. C. A. et al. A Política Nacional de Resíduos Sólidos: Experiências Brasileiras na Elaboração dos Planos de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos. In: CONGRESO DE MEDIO AMBIENTE. AUGM, 7., 2012, UNLP La Plata Argentina.

LELIS, M. P. N.; PEREIRA NETO, J. T. "Usinas De Reciclagem De Lixo”: Porque Não Funcionam? In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA SANITÁRIA E AMBIENTAL, 21., 2001, João Pessoa. Trabalho Técnico. João Pessoa: Abes, 2001. p. 1-9.

MARAGNO, E. S.; TROMBIN, D. F.; VIANA, E. O uso da serragem no processo de minicompostagem. Engenharia Sanitária e Ambiental, Rio de Janeiro, v. 12, n. 4, 2007.

MILLER, F. C. Composting as a process base on the control of ecologically selective factors. Meeting, F.B. Soil Microb. Ecol., v.18: p.515- 543, 1992.

MONTEIRO, J. H. P. et al. Manual de Gerenciamento Integrado de resíduos sólidos. Coordenação técnica Victor Zular Zveibil. Rio de Janeiro: IBAM, 2001.

MORREL, J. L. et al. Methods for evaluation of the maturity of municipal refuse compost. In: Gasser, J.K. Composting of agricultural and other wastes. London: Elsevier, 1985. p. 56-72.

OLIVERIO, J. L. Projeto de fábrica: Produtos, processos e instalações industriais. São Paulo: IBLC. Instituto Brasileiro do Livro Científico Ltda, 1985. Apostila.

PEIXOTO, R. T. G. et al. Compostagem. In: BATISTA, M. A.; PAIVA, D. W.; MARCOLINO, A. (Org.). Solos para Todos: Perguntas e Respostas. Rio de Janeiro: Embrapa, 2014. p. 1-89.

PEREIRA NETO, J. T. A low cost technology approach on the treatment of municipal refuse and sewage sludge using aerated static pile composting. 1987. 198f. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil, Universidade de Leeds, Inglaterra, 1987.

PEREIRA NETO, J. T. Manual de Compostagem. Belo Horizonte: UNICEF, 1996. 56p.

PEREIRA NETO, J. T. Manual de Compostagem: Processo de baixo custo. Viçosa: UFV, 2007. 81p.

PORTILHO, M. F. F. Profissionais do lixo: um estudo sobre as representações sociais de engenheiros, garis e catadores. Dissertação (Mestrado) - Programa EICOS. Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro, 1997.

PRIMAVESI, A. O manejo ecológico do solo: agricultura em regiões tropicais. São Paulo: Nobel, 1981. 535 p.

REBOLLIDO, R.; MARTÍNEZ, J.; AGUILERA, Y.; MELCHOR, K.; KOERNER, I.; STEGMANN, R. Microbial Populations During Composting Process Of Organic Fraction Of Municipal Solid Waste. Applied Ecology And Environmental Research, v. 6, p. 61-67, 2008.

REICHERT, G. A; MENDES, C. A. B. Avaliação do ciclo de vida e apoio à decisão em gerenciamento integrado e sustentável de resíduos sólidos urbanos. Engenharia Sanitária e Ambiental, Rio de Janeiro, v.19, n.3, 2014.

RIVETTI, L. V.; SIMONATO, D. C.; COSTA, S. O.; FIGUEIREDO, R. A. Análise documental e de percepção acerca da gestão de resíduos em um campus universitário (SP, Brasil). Revista Ibero-Americana de Ciências Ambientais, v. 3, p. 98-111, 2012.

SANTOS, D. C. B. Protótipo De Bioprocessador Mecanizado Para Beneficiamento Do Resíduo Orgânico Pelo Método Da Compostagem Com Produção De Adubo Em Espaço Reduzido E Drenagem Do Chorume Resultante. 2013. 77 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Engenharia Ambiental, Instituto Federal Fluminense, Campos dos Goytacazes, 2013.

SHARMA, V. K. et al. Processing of urban and agroindustrial residues by aerobic composting: review. Energ. Convers. Manage., v. 38, p.453-478, 1997.

SILVA, C. D. G. et al. Compostagem automatizada de resíduos orgânicos domésticos. In: SIMPÓSIO CIENTÍFICO DE GESTÃO AMBIENTAL, 4., 2015, Piracicaba. IV SIGA Ciência. Piracicaba: Esalq-USP, 2015. v. 1, p. 1 - 5.

SILVA, E. L.; MENEZES, E. M. Metodologia da Pesquisa e elaboração de Dissertação. 3. ed. rev. atual. Florianópolis: Laboratório de Ensino a Distância da UFSC, 2001.

SLACK, N.; CHAMBERS, S.; JONHSTON, R. Administração da Produção. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2008. 747 p.

SOUTO JÚNIOR, F. S. Desenvolvendo e Gerenciando Compostagem de Resíduos Urbanos: para geração de renda e repasse à acrevi. 2011. 130 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Química, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2011.

SOUZA, A. L. K. et al. Compostagem Com Aeração Forçada Como Alternativa De Aproveitamento Dos Resíduos Gerados Pela Agroindústria Conserveira. Revista Brasileira de Agrociências, Pelotas, v. 16, p. 69-75, 2010.

TIQUIA, S. M.; N. F. Y. Tamand I. J. Hodgkiss. Microbial activities during composting of spent pig manure sawdust litter at derent moisture contents. BioresourceTechnol., v. 55. p. 201-206, 1996.

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. Tradução de Daniel Grassi. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2001.

ZUCCONI, F.; DE BERTOLDI, M. In Compost: Production, Quality and Use. London: Elsevier, 1987. p. 30-50.

Publicado
20-07-2018
Como Citar
CRIVELARO, A. L. R.; MOREIRA, M. A. C.; DA SILVA, J. A. F. Gestão de Resíduos Sólidos e Compostagem Orgânica: Estudo de Caso para Escolha de Tecnologia de Processo em Macaé, Brasil. Boletim do Observatório Ambiental Alberto Ribeiro Lamego, v. 12, n. 1, p. 89-110, 20 jul. 2018.
Seção
Artigos originais