MORFOLOGIA E MORFOMETRIA DAS VALVAS CARDÍACAS DE AVESTRUZ (STRUTHIO CAMELUS)

  • Daniel Faustino Guimarães
  • Rômulo Ferreira de Assunção
  • Ana Bárbara Freitas Rodrigues
Palavras-chave: Avestruz, Coração, Morfometria

Resumo

A criação de avestruz vem sendo implantada no país, despontando como alternativa lucrativa na pecuária brasileira, atraindo o interesse de novos criadores. A estrutiocultura é considerada uma atividade relativamente nova, e diante deste fato, a escassez de dados relacionados á anatomofisiologia desta espécie revela a necessidade de maiores conhecimento, principalmente, da sua morfologia cardíaca. Esse trabalho tem o objetivo de avaliar e mensurar as valvas cardíacas de avestruzes. Foram usados 8 corações de avestruzes, adultos, abatidos em frigoríficos sob inspeção estadual. Os corações foram coletados, lavados para retirada do sangue das câmaras, identificados e mantidos em refrigeração até a Seção de Anatomia do Laboratório de Sanidade Animal/UENF, onde foram processados. Os corações foram fixados em solução de formaldeído a 10% durante 30 dias. Para a exposição das valvas, os corações foram seccionados na altura do sulco coronário, a fim de identificar as quatro valvas. O perímetro de cada valva foi obtido com auxilio de um fio de sutura, posto sobre cada estrutura, moldando-as. Em seguida o fio foi transposto para uma régua, obtendo assim as suas medidas. Em todos os corações avaliados foram observadas características semelhantes quanto a morfologia das valvas. As valvas atrioventriculares esquerdas eram constituídas de três cúspides e fixadas pelas cordas tendíneas aos músculos papilares. Já as valvas atrioventriculares direitas eram constituídas por uma lâmina muscular grossa, semelhante as das galinhas. As médias aritméticas obtidas dos perímetros das valvas atrioventriculares, esquerda e direita, foram respectivamente 9,025 cm e 9,862 cm. As valvas aórticas e pulmonares estavam dispostas em três válvulas semilunares. As médias aritméticas dos seus perímetros foram de 7,787 cm e 7,237 cm. Observamos que a morfologia das valvas cardíacas de avestruz é de grande semelhança com a da galinha. Os perímetros das valvas nos fazem refletir quanto ao considerável volume de sangue que pode chagar aos vasos da base do coração e assim ser encaminhado para todo o corpo do animal.