MÉTODO OBJETIVO DE CLASSIFICAÇÃO DA HIPERPLASIA CÍSTICA ENDOMETRIAL EM CADELAS

  • Cristina Leite Francisco Gualberto Ramos
  • Isabel Candia Nunes da Cunha
  • Eulogio Carlos Queiroz de Carvalho
Palavras-chave: Cadelas, HCE, Histopatologia

Resumo

IntroduçãoA hiperplasia cística endometrial (HCE) é caracterizada pelo aumento no número de glândulas endometriais, aumento na atividade secretória e possível acúmulo de fluido estéril nas glândulas e no lúmen uterino. (FELDMAN & NELSON, 1996). Este trabalho propõe um sistema simples e objetivo para a classificação histopatológica da HCE em cadelas, visto a deficiência na padronização de parâmetros claros para a uniformização de relatos a respeito desta disfunção. MetodologiaAvaliou-se 36 úteros de cadelas, sendo recolhidos 07 segmentos provenientes do terço proximal, médio e distal de cada corno e do corpo do útero. As amostras foram avaliadas histologicamente e classificadas para HCE por um método somatório quanto aos seguintes parâmetros: I) Extensão e número de glândulas císticas no campo de avaliação (em objetiva 4x) em categorias A, B e C; II) Extensão de infiltrado neutrofílico no campo de avaliação (em objetiva 40x), em: 0, 1, 2 e 3; e III) Distribuição da HCE ao longo do útero podendo ser focal, difuso e multifocal. Cada útero recebeu uma classificação final, sendo esta, aquela verificada no segmento que  presentava maior intensidade da lesão.ResultadosDos 36 úteros, 15 (41,66%) apresentavam HCE nos  achados histopatológicos. Através da correlação entre os segmentos, observou-se que a ocorrência da HCE não diferiu em ambos os cornos uterinos, bem como entre os terços proximais médios e distais. As lesões císticas apresentaram 33,3% (n=5) de HCE multifocal, 66,7%  (n=10) de HCE difusa e nenhuma focal. Também, 66,7% dos úteros receberam grau C e 46,7% grau 3, os quais representaram as categorias de maior gravidade. ConclusãoConcluímos que a metodologia proposta reduz a subjetividade na classificação e permite o relato da extensão da lesão em casos individuais. Os achados histológicos também sugerem que a colheita de apenas uma amostra de qualquer região uterina, pode ser representativa para o diagnóstico da HCE.

Biografia do Autor

Cristina Leite Francisco Gualberto Ramos
Universidade Estadual do Norte Fluminense, CCTA - Campos dos Goytacazes-RJ
Isabel Candia Nunes da Cunha
Universidade Estadual do Norte Fluminense, CCTA - Campos dos Goytacazes-RJ
Eulogio Carlos Queiroz de Carvalho
Universidade Estadual do Norte Fluminense, CCTA - Campos dos Goytacazes-RJ