POSSÍVEIS MECANISMOS DE AÇÃO DOS EXTRATOS DOS FRUTOS DA AROEIRA NA INIBIÇÃO DA PRODUÇÃO DE ÓXIDO NÍTRICO POR MACRÓFAGOS

  • Isabela Francisca de Jesus Borges Costa
  • Michelle Frazão Muzitano
  • Daniela Barros de Oliveira
Palavras-chave: Mecanismos de Ação, produção de óxido nítrico, Aroeira

Resumo

Os frutos da aroeira (Schinus terebenthifolius Raddi) possuem propriedades medicinais, como adstringente, antidiarréica, diurética, febrífuga e antiinflamatória. Resultados experimentais mostram que compostos capazes de inibir a produção de NO, por inibir a expressão ou a atividade da iNOS possuem alto potencial como antiinflamatórios.Trabalhos recentes mostram a inibição da produção de óxido nítrico (NO), pelos extratos dos frutos, porém nada foi demonstrado sobre seu mecanismo de ação. Para verificar o mecanismo de inibição de NO pelos extratos, macrófagos murinos RAW 264-7 foram cultivados na presença de BCG lisado por 12h. Após este tempo, os extratos apolares e metanólicos das cascas dos frutos (500, 100 e 20μg/mL), foram adicionados no meio, em triplicata. Após 48h a quantidade de NO foi determinada  através do método de Griess. A avaliação da atividade antioxidante foi realizada pelo método do radical livre DPPH (1000, 100 e 10?g/mL), utilizando como controle positivo o BHT. Para avaliar se os extratos são capazes de sequestrar o NO ou se atuam na inibição da iNOS, foi realizado um experimento com o doador de óxido nítrico o nitroprussiato de sódio (SNP). O efeito inibitório da produção de NO foi verificado em todos os extratos, após a estimulação com a presença de BCG lisado. Demonstrou que os extratos agem na inibição da atividade da iNOS, visto que esta já havia sido expressa. Todos os extratos mostraram atividade antioxidante superior a 90% quando comparado ao BHT. Apenas a menor concentração do extrato apolar apresentou seqüestro do DPPH de 50%. Através do SNP observou-se que os extratos não seqüestram de forma significativa o NO formado, confirmando que os extratos inibem a atividade da enzima. Também foi avaliada a inibição da produção de NO nos tempos de 12, 24, 36 e 48h, e apenas em 48h houve produção de NO que pôde ser inibida.Os resultados obtidos permitiram esclarecer pontos importantes sobre o mecanismo de ação dos extratos dos frutos da aroeira, concluindo que estes podem inibir a atividade da iNOS, possuindo um alto potencial como agente antiinflamatório.
Publicado
03-03-2011