PRODUÇÃO DE MUDAS DE DIFERENTES ESPÉCIES DE PASSIFLORA INOCULADAS COM FUNGOS MICORRÍZICOS ARBUSCULARES

  • Liliane Barroso de Sousa
  • Almy Junior C. de Carvalho
  • Renata Vianna Lima
Palavras-chave: Maracujá, micorriza, granadilla

Resumo

A produção de maracujá no Brasil tem grande importância na fruticultura brasileira, notadamente entre pequenos agricultores, com interesse da indústria de sucos e farmacêutica. Para acompanhar essa expansão e impulsionar o cultivo em maior escala é necessário aumentar a produtividade dos viveiros, sendo que a utilização de fungos micorrizicos, e os benefícios proporcionados por estes, tem sido uma alternativa importante. O objetivo do trabalho foi avaliar os efeitos da inoculação com fungos micorrízicos (FMAs) sobre o crescimento e nutrição de mudas de espécies de passiflora. O experimento foi instalado em casa de vegetação, utilizando-se delineamento em blocos casualizados, com fatorial 3x3, sendo três espécies de Passiflora (Passiflora edulis f. sp. flavicarpa, Passiflora alata e Passiflora ligularis) e três tratamentos microbiológicos (Sem inoculação, Glomus etunicatum e uma mistura dos fungos Glomus clarum + Gigaspora margarita), com 4 repetições. O experimento foi conduzido em casa de vegetação, em vasos de 3 dm3, contendo substrato autoclavado composto de terra + areia lavada na proporção 1:1 (v/v), esterilizado em autoclave (a 121oC por 1 hora). A inoculação, com 50 g de inoculo por vasos, foi realizada no momento da semeadura. As mudas foram conduzidas até 85 dias após a semeadura e com os resultados obtidos foi possível concluir que a utilização da mistura de dois fungos micorrizicos, no processo de inoculação, proporcionou maior sobrevivência das mudas ao final do período avaliado e que as plantas de P. edulis e P. alata apresentaram maiores número de folhas e matéria seca da parte aérea quando inoculadas; não foram detectadas diferenças nos teores de nitrogênio na matéria seca da parte aérea das plantas em função dos tratamentos utilizados; os teores  e fósforo foram maiores em plantas de P. alata inoculadas com a mistura de duas espécies de FMAs e menores em plantas de P. ligularis sem inoculação. Os teores de K, Ca, Mg, Fe, Zn e Mn foram influenciados pelos tratamentos utilizados. Plantas das espécies de Passiflora estudadas, quando micorrizadas, foram mais tolerantes ao estresse provocado pelo excesso de adubação nitrogenada.