USO DE AFLORAMENTOS DA FORMAÇÃO CABEÇAS DA BACIA DO PARAIBA PARA INFERENCIA DO COMPORTAMENTO DE RESERVATÓRIOS E AUMENTO DO FATOR DE RECUPERAÇÃO

  • Renato Gomes Maués
  • Victor Hugo Santos
Palavras-chave: Estudos Análogos, Formação Cabeças, Parnaíba

Resumo

O reconhecimento das heterogeneidades em afloramentos da Formação Cabeças da Bacia do Parnaíba pode gerar modelos preditivos, que podem ser utilizados como ferramenta na produção de campos análogos, aumentando assim o fator de recuperação desses campos. O estudo de análogos vem sendo utilizado amplamente na indústria do petróleo, desde o final da década de 80, para suprir a deficiência de informações interpoços e aprimorar os modelos existentes. Para maior confiabilidade desses modelos faz-se necessária a aquisição de dados geológicos confiáveis, e o estudo de afloramentos é uma alternativa de baixo custo para esse problema. A metodologia do trabalho se baseia-se nas seguintes etapas: investigação bibliográfica, excursão de campo para descrição estratigráfica e sedimentológica associada a heterogeneidades com medidas de permoporosidade e paleocorrente, aquisição de fotomosaico e processamento desses dados para a simulação de fluxo no programa code_bright. Essa metodologia fornecerá a possibilidade de maior controle da produção de petróleo em campos maduros, prevendo o comportamento dos mesmos e gerenciando-os de maneira otimizada. A primeira etapa focará no levantamento de estudos prévios sobre a Bacia do Parnaíba, a Formação Cabeças e Paleoambientes Deposicionais. No campo, a aquisição de incluirá a descrição e elaboração de perfis faciológicos com indicação da direção de paleocorrentes, a inferência da permoporosiade e a obtenção de painéis fotográficos. Com a aquisição de fotos no afloramento, serão montados fotomosaicos para serem estudadas as possíveis linhas de fluxo do afloramento para formulação dos modelos geológicos de acordo com a definição da fácies litológicas, com a inferência da porosidade e permeabilidade aproximada de acordo com a litologia. Assim, poderá se gerar simuladores numéricos de fluxo de fluidos em reservatório, fazendo analogia do afloramento com reservatórios em subsuperfície. Com essas informações será possível prever posições ótimas para a perfuração de poços produtores e injetores.

Biografia do Autor

Victor Hugo Santos
Orientador