USO DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA NUCLEAR E ANÁLISE DE COMPONENTES PRINCIPAIS NA INVESTIGAÇÃO METABOLÔMICA DO MAMÃO PAPAYA (Carica papaya L. ‘Golden’) GELIFICADO

  • Marcilene de Fátima Dianin Vianna
  • Jan Schripsema
Palavras-chave: Mamão gelificado, Metabolômica, RMN, PCA

Resumo

IntroduçãoO Brasil é o maior produtor de papaya, que é uma planta originária da América do Sul e Central e atualmente é cultivada pelos trópicos. Devido a distúrbios fisiológicos como, por exemplo, a gelificação (a polpa mais próxima às sementes fica mais escura, rígida e translúcida), uma pequena parte do produto é exportada. O estudo da metabolômica é adequado para esse caso e, com o objetivo de melhorar a qualidade de papaya, técnicas de RMN e de PCA foram usadas para analisar perfis metabólitos complexos.MetodologiaOs papayas foram cortados ao meio e amostras de sucos da polpa próxima ao endocárpio (internas) e ao exocárpio (externas) foram obtidas para análise. Cada amostra foi transferida ao tubo de RMN e espectros foram obtidos num espectrômetro de JEOL Eclipse+ 400. Os sinais observados foram identificados através do Delta e os metabólitos foram quantificados baseando-se na altura máxima nos espectros de RMN (sinal padrão da glicose em 5.20 ppm). Após uma comparação percentual, os dados foram transferidos a uma tabela onde as fileiras são as amostras e as colunas a quantidade relativa de cada metabólito. A análise de PCA foi feita com o programa SIMCA-P e foram executados vários níveis de PLS para resultados mais específicos.ResultadosEspectros de 1H RMN foram obtidos de três partes da fruta: normal, gelificada e degradada (amostras internas e externas). Os compostos nas amostras individuais foram determinados tendo a glicose como base e então foi montada uma tabela com as quantidades relativas convertidas. Para executar o PLS (Partial Least Square) e incluir conhecimentos adicionais, um vetor de Y variáveis foi adicionado à série de dados. No nível 3 separando as três partes da fruta, houve influência do malato, citrato, asparagina e acetato. Em especial para o malato, descreveu-se que os níveis são maiores no começo e desenvolvimento da fruta, diminuindo na maturação. No nível 2 separando externas e internas, citrato e asparagina influenciaram.ConclusãoA investigação metabolômica dos sucos de fruta do papaya mostrou que existem claras diferenças entre a fruta saudável, degradada e gelificada. Esta última é caracterizada pelo acúmulo de etanol, acetato, lactato e sucinato, similares às frutas de degradação, indicando que também nestas frutas os processos fermentativos estão ocorrendo.
Publicado
15-03-2011