AVALIAÇÃO DA QUALIDADE E TRATAMENTO DA ÁGUA SUBTERRÂNEA EM CAMPOS

  • Tâmmela Cristina Gomes Nunes
  • Tayná de Souza Gomes Simões
  • Vicente de Paulo Santos de Oli
Palavras-chave: Água Subterrânea, Monitoramento da Qualidade de Água, Estação de Tratamento de Água

Resumo

Consciente da importância da realização de um tratamento adequado e de um constante monitoramento da qualidade da água destinada ao consumo, o objetivo deste trabalho foi propor alternativas de tratamento de água para localidades da região, conforme Campo Novo e Venda Nova, ambas no município de Campos dos Goytacazes, que utilizam água subterrânea sem tratamento. A unidade-piloto para tratamento de água da UPEA, Unidade do IFF, é um modelo apresentado como alternativa para o tratamento e fornecimento de água potável para estas populações. Para a realização da pesquisa foram aplicados questionários sócio-ambientais (38 pesquisados) e coleta de 14 amostras de água dos poços freáticos residenciais utilizados pela população do local. Este trabalho de campo deu suporte para o trabalho de mestrado de Willians Salles Cordeiro. A pesquisa foi realizada nos dias 15, 16 e17/07/2008. Com o auxílio do GPS, foram determinadas as coordenadas geográficas das casas entrevistadas. A escolha das casas foi realizada ao acaso e de forma a obter uma correta representatividade da região estudada. Nas análises foram verificados os parâmetros cor, turbidez, pH, dureza, ferro, manganês, coliforme total e coliformetermotolerante. Das 14 amostras coletadas e analisadas e utilizando como parâmetro, a Portaria 518 do MS, 100% foram reprovadas por cor; 43% reprovadas por turbidez; não houve reprovação por pH e dureza; 64% reprovadas por ferro; 57% reprovadas por manganês; 92% reprovadas por coliformes totais e 23% reprovadas por coliformes fecais. Dos questionários aplicados, foi constatado que das casas visitadas: 29% têm sua caixa d.água limpa apenas de 6 em 6 meses ou nunca; apenas 15,8% fazem algum tipo de tratamento na água do poço antes de utilizá-la; há uma média de 4,4 moradores por residência; 47,1% possuem algum tipo de ajuda financeira do governo; 44,7% disseram que tiveram, no último ano, algum tipo de doença relacionada a qualidade da água; e 10,5% dos poços verificados possuem uma distância superior a 20m da fossa (distância recomendada). Pelos resultados obtidos, verificou-se que a situação da água consumida nessas comunidades é crítica e foram propostas alternativas de tratamento de água a partir do desenvolvimento de uma estação de tratamento de baixo custo, viabilizando a distribuição de água de qualidade para essas comunidades rurais.