ESTUDO SOCIOLINGUÍSTICO DO DISCURSO DA COMUNIDADE QUILOMBOLA DE CONCEIÇÃO DO IMBÉ (CAMPOS DOS GOYTACAZESRJ): PRESERVAÇÕES E MUDANÇAS

  • Vivian Ribeiro Viana
  • Vania Cristina Alexandrina Bernardo
Palavras-chave: Sociolinguística, Comunidade Quilombola, Conceição do Imbé

Resumo

Esta pesquisa une propostas de inclusão social do Governo Federal (Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial) e estudos realizados no IFF (Pós Lato Sensu em Literatura, Memória Cultural e Sociedade), referentes à memória cultural. O projeto investiga os falares campistas e os dialetos afrobrasileiros, que se mesclam no estrato social em foco, a população quilombola de Conceição do Imbé (CamposRJ) reconhecida, há quase quatro anos, pelo poder público (SEPIRDOU/ 2005). Somente a partir dos anos 60 (século XX), os linguistas passaram a investigar a questão da variação linguística. Tal enfoque teve a influência marcante de Labov (Linguística Variacionista) que lançou como objeto de estudo a relação, sociedade & língua. Analisase a língua em termos diatópicos e idiossincráticos, a partir do modelo teóricometodológico da Sociolinguística composto de: entrevista sociolinguística com coleta de narrativas de experiência pessoal (Fichas Sociais, preenchidas pelo entrevistador; Gravações em áudio e vídeo; Formulários módulos de perguntas), objetivando, entre outras metas, a homogeneização dos dados dos vários informantes para posterior comparação. Na enunciação das narrativas orais produzidas pela população quilombola de Conceição do Imbé e nas entrevistas orais e por escrito com os informantes, configuraramse duas variações maispresentes: a diatópica e a diastrática. A primeira caracterizada, principalmente, pelo rotacismo (/l/ /r/) e pelo uso do gerúndio sem o /d/. A segunda, que pôde ? ser constatada entre os informantes os quais possuíam um grau de escolaridade aquém da 2ª série do Ensino Fundamental, apresentou como principais fenômenos a presença do /s/ somente em uma palavra num dado sintagma nominal e a silepse de número (“a gente” = sujeito acompanhado do verbo na 1pp). Embora a comunidade em estudo seja de afrodescendentes,a partir da elicitação do léxico analisado, constataramsevariantes diatópicas e diastráticas semelhantes àquelas dointerior do Município, devido à proximidade geográfica e ao constante intercâmbio sociocultural entre tais populações.

Biografia do Autor

Vivian Ribeiro Viana
IFF
Vania Cristina Alexandrina Bernardo
IFF