RECURSOS ENERGÉTICOS RENOVÁVEIS E A ECOLOGIA DO TRABALHO: O CASO DO ETANOL BRASILEIRO

  • Aline da Conceição Barrozo
  • José Augusto Ferreira da Silva
Palavras-chave: Recursos Energéticos, Trabalho Degradante, Etanol Brasileiro

Resumo

O presente estudo tem como objetivo demonstrar as contradições existentes no setor sucroalcooleiro com relação direta entre capital e exploração do trabalho humano na atual configuração do sistema energético brasileiro, principalmente em relação à expansão do etanol produzido a partir da cana-de-açúcar. O projeto analisa as várias problemáticas que são encontradas na cadeia produtiva do etanol, como as condições de trabalho dos bóiasfrias, que são obrigados a trabalharem em péssimas condições, com longas jornadas de trabalho, que em muitas das vezes há até ocorrência de mortes. Para o desenvolvimento da pesquisa utilizou-se de métodos empírico e exploratório com estágios de gabinete, ondeforam feitos levantamentos de referenciais teóricos (livros, dissertações, teses e periódicos), sobre o tema em estudo, além da análise de documentação jornalística dos últimos anos. Na primeira etapa da pesquisa foram feitas discussões teórico-metodológicas e a produção de textos. Na segunda etapa da pesquisa proceder-se-á com a aplicação de questionários semiestruturado junto aos trabalhadores bóias-frias em canaviais no município de Campos dos Goytacazes-RJ com o objetivo de coletar dados que servirão de subsídios para a elucidação das hipóteses sobre o trabalho degradante nos canaviais do referido município e região. Como resultado da análise aos referenciais, pode ser observado e compreendido que empleno séc. XXI ainda existe, no Brasil, trabalhadores bóias-frias exercendo suas atividade nas lavouras de cana-de-açúcar em condições de trabalho semelhante aos escravos do período colonial, assim como pode ser verificado que a escravidão atual tem duas faces, que é aquela condicionada a uma dívida e a que explora a mão-de-obra através da demanda cada vez maior por produtividade no corte da cana, essas duas formas de escravidão ocorrem principalmente na Região Sudeste e Centro-sul. Portanto, nas pesquisas teóricas foram constados que os maiores focos do trabalho degradante no setor sucroalcooleiro encontra-se na Região Sudeste e Centro-Sul do país. Essas são as regiões onde está havendo altos investimentos na produção e expansão do etanol, em contra partida, é a região que possui maiores índices de denúncias de trabalho degradante.