ZONEAMENTO DE ÁREAS SUJEITAS À INUNDAÇÃO NA BAIXADA CAMPISTA/NORTE FLUMINENSE COM O AUXÍLIO DO GEOPROCESSAMENTO (ZIBAC)

Autores

  • Bernardo Espinoza Gomes Roseira André
  • Vicente de Paulo Santos de Oliveira

Palavras-chave:

Áreas inundadas, baixada campista, zoneamento

Resumo

INTRODUÇÃO:O zoneamento de áreas sujeitas à inundação e ou enchentes é de extrema importância para o planejamento de uso e ocupação de uma região. Definindo as áreas críticas, podemos direcionar o uso do solo de acordo com suas ‘inundações devem ser preferencialmente para uso de recreação ou preservação, enquanto áreas menos susceptíveis podem ser melhor exploradas de acordo com sua vocação tanto natural como econômica, evitando assim problemas de ordem socioeconômica e de catástrofes compossíveis perdas humanas. A Baixada Campista, região definida como sendo a margem direita do baixo curso do rio Paraíba do Sul, é uma área de baixa altitude (muitas vezes abaixo da cota do rio) e com um histórico de enchentes e inundações. De acordo com relatos históricos constitui originalmente em uma área pantanosa entremeadas de lagos e lagoas permanentes e temporárias, consideradas como obstáculos para a ocupação humana. Devido a essa visão, a região sofreu várias intervenções humanas para atender aos interesses da oligarquia açucareira. O objetivo era transformar terras pantanosas e até lagoas em áreas agricultáveis. Atualmente em função do desequilíbrio provocado pelas intervenções neste ecossistema tem se verificado conflitos por água na Baixada Campista entre os diversos usuários seja pela falta de água no sistema na época seca, seja pelas inundações no período chuvoso. A partir principalmente da base de dados do PROJIR (Projeto de Irrigação e Drenagem da Cana-de-Açucar na Região Norte Fluminense), que possui acervo cartográfico com detalhamento da rede de canais, altimetria, solos, lençol freático e outros, além da observância da legislação estadual e federal em vigor, serão gerado mapas que permitirão estabelecer o zoneamento das áreas sujeitas à inundação na Baixada Campista no Norte Fluminense,principalmente na margem direita do rio Paraíba do Sul, com o auxílio do geoprocessamento.METODOLOGIA:A área delimitada para a investigação será uma grande parte da margem direita do rio Paraíba do Sul, da lagoa Feia e o canal Campos-Macaé até a linha de praia e o rio principal dessa bacia. A ocorrência de enchentes acontece devido a fatores relacionados como solo, geomorfologia, geologia, declividade e uso e ocupação. Devido a importância dessas variáveis ao estudo utilizaremos: mapas degeomorfologia, solo, declividade, geologia e uso do solo, além de imagens de satélites atuais.Como produto final iremos obter uma caracterização física da Baixada Campista. Espera-se que esse mapeamento já tenha sido realizado por outras instituições de pesquisa em escalas de 1:50000 ou 1:25000, sendo necessária somente sua digitalização e georeferenciamento.RESULTADOS:Manipulação de imagens de satélite, com o auxílio do AutoCAD, para obter as áreas das lagoas permanentes e temporárias em períodos de cheia e estiagem.CONCLUSÃO:Ao final desse processo, teremos um mapeamento do uso e ocupação do solo na baixada campista. Podendo obter melhores formas de ocupação, evitando a ocupação de áreas proibidas ou de risco, e ainda os impactos ambientais provocados pelo mau uso do solo ao longo do tempo.Trabalho de Iniciação Científica

Biografia do Autor

Bernardo Espinoza Gomes Roseira André

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Fluminense

Vicente de Paulo Santos de Oliveira

OrientadorInstituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Fluminense