IMPRESSÕES ACERCA DO TRANSPORTE INFORMAL EM CAMPOS DOS GOYTACAZES

  • Thiara Mourão Costa Cerqueira
  • Hernan Armando Mamani
Palavras-chave: Transporte, Economia Informal, Políticas Públicas

Resumo

Este trabalho analisa as opiniões a respeito do transporte informal do município de Campos a partir dos olhares das autoridades envolvidas, bem como através da mídia impressa local, especificamente a Folha da Manh ã entre os anos de 2007/2008. O transporte informal - escasso até novembro de 2006 - tornou-se um problema público aolongo de 2007, cuja gravidade pode ser de tectada no  crescente número de notícias sobre o tema. Entretanto, este assunto além de pouco debatido, tem sido analisado de forma inadequada. Foram catalogadas cerca de 101 notícias sobre o tema e realizada uma entrevista não-estruturada. Em grande parte, de forma pontual, se acusa o transporte informal pelo caos no trânsito e denuncia -se o poder público pela falta de combate àatuação das “lotadas”. Apesar das críticas os recortes de jornais provam o contrário, reportam grande número de blitz e operações da EMUT contra a ação desse tipo detransporte. Chama a atenção a falta de compreensão quanto às causas do fenômeno que - além do pedido de repreensão – se traduz numa escalada de conflitos entre os poderes envolvendo o Ministério Público, a Câmara de Vere adores e o município, que somente encontra alívio com a demissão de um Diretor acusado de corrupção . A mesma falta de reflexão sobre as causas percebe -se na fala de um dos altos dirigentes. Segundo este o transporte “clandestino” é um dos grandes problemas do sistema de transporte em Campos. Retira uma parcela considerável de passageiros; não pagam impostos; além de não prestarem o atendimento social. Isto gera prejuízos para as 14 empresas de ônibus.Quanto às causas da expansão em Campos, a EMUT aponta o seu crescimento à expulsão dos “topiqueiros” de Macaé mediante a implementação de seu novo sistema detransporte. A proliferação do transporte informal é posto por eles como algo prejudicial, onde a concorrência incide sobre os custos. Não há reflexão sob re suas causas que vão além de impressões pessoais. Igualmente, os jornais além de omitirem as falas dos usuários, não fazem à relação de transporte com o crescimento da cidade e,principalmente, não refletem sobre a dinâmica do mercado de trabalho e da relação entre oferta /estratégias de reprodução.