ESTUDO SOCIOLINGUÍSTICO DO DISCURSO DA COMUNIDADE QUILOMBOLA DE CONCEIÇÃO DO IMBÉ (CAMPOS DOS GOYTACAZES-RJ): PRESERVAÇÕES E MUDANÇAS

Autores

  • Priscila Neves da Silva
  • Graziela Escocard
  • Vania Cristina Alexandrino Bernardo

Palavras-chave:

Cultura, linguística, identidade

Resumo

Esta pesquisa se baseia em investigações sociolinguísticas (falares campistas e dialetos afro-brasileiros) de um determinado estrato social, uma vez que o objetivo do trabalho é estudar o uso lingüístico da comunidade Quilombola de Conceição do Imbé, que foi reconhecida no ano de 2005, pela Fundação Cultural Palmares. Sendo a cultura e a língua fatores indissociáveis, a pesquisa mostrou sua relevância ao revelar os modus vivendi da população em estudo no que tange a identidade quilombola.A pesquisa foi desenvolvida pelo Núcleo de Estudos Culturais Estéticos e de Linguagens (NECEL) do IFF. Partindo do modelo teórico-metodológico baseado na Linguística Variacionista de Labov, foram utilizados como coleta de dados, entrevistas realizadas por meio de: fichas sociais preenchidas pelo entrevistador; gravações em áudio e/ou vídeo; questionário-guia de entrevista a ser preenchido pelo entrevistado. A homogeneização dos dados dos vários informantes serviu para a posterior comparação dos falares e dialetos. Além de novas questões a serem abordas como a identidade quilombola que se mostra descaracterizada pelas interferências culturais externas.As entrevistas demonstraram um maior índice de variação diastrática (variação social) com 62,22%; diatópica (variação geográfica) com 27,78%; diacrônica (variação histórica) com 10,00%. A partir dos resultados obtidos foi comprovado via linguagem verbal à falta de preservação das origens tanto linguísticas como culturais.Ainda que a comunidade seja denominada quilombola e que esta denominação partiu de seu auto-reconhecimento, conclui-se, portanto, que a população em estudo não possui características culturais, sociais, linguísticas e identidade de comunidade quilombola.

Biografia do Autor

Priscila Neves da Silva