INGESTÃO DE REJEITOS SÓLIDOS PELA TARTARUGA VERDE, CHELONIA MYDAS, NO LITORAL CENTRO-NORTE DO RIO DE JANEIRO, BRASIL

  • Danielle Rodrigues Awabdi UENF
  • Larrisa Araújo Nunes UENF
  • Helio Kinast Cruz Secco UENF
  • Salvatore Siciliano UENF
  • Ana Paula Madeira Di Beneditto UENF
Palavras-chave: Chelonia mydas, Conteúdo estomacal, Rejeitos sólidos

Resumo

A tartaruga verde, Chelonia mydas, é uma espécie onívora com tendência à carnivoria quando filhote, tornando-se herbívora a partir de 25-35 cm de comprimento. Utiliza o litoral do Rio de Janeiro como área de alimentação e está sujeita à ingestão de resíduos sólidos presentes no ambiente. O objetivo deste trabalho é avaliar e quantificar esses resíduos em estômagos de espécimes de C. mydas coletadas através de encalhes entre as regiões de Saquarema e Quissamã, entre junho de 2009 e maio de 2010.Foram analisados 55 estômagos em laboratório, cujos conteúdos foram triados para separação dos itens categorizados como rejeitos sólidos: plástico transparente, plástico colorido, fio de nylon, fibra vegetal, borracha, isopor e corda. Alguns itens registrados ocasionalmente nos estômagos foram agrupados na categoria ‘outros’ (barbante, fibra sintética, lâmpada, alumínio, canudo de plástico, anzol, tecido e papel de bala), de modo a facilitar a interpretação dos resultados. Todos os rejeitos sólidos foram pesados (g) separadamente, de acordo com a categoria, e os plásticos transparentes e coloridos também foram medidos quanto à superfície (cm2).Dos estômagos analisados, 35 (63,6%) apresentaram rejeitos sólidos, com o registro de mais de uma categoria em cada estômago. Quatro estômagos foram desconsiderados das análises pela reduzida quantidade de rejeitos que estava presente. Os dois tipos de plásticos estavam presentes em 22 (71%) estômagos: o plástico colorido foi registrado em 28 (90,3%) estômagos e o transparente em 23 (74,2%). A frequência de ocorrência das demais categorias de rejeitos sólidos está indicada a seguir: fios de nylon (58%); borracha (22,6%); fibra vegetal (22,6%), isopor (9,7%) e corda (25,8%). A categoria ‘outros’ estava presente em 19 (61,3%) estômagos analisados.A interação da espécie com os rejeitos sólidos descartados no ambiente compromete a saúde dos animais podendo levar a morte. Campanhas educativas à população, associadas a ações do poder público incentivando a coleta seletiva e reciclagem desses rejeitos são importantes para mitigar a situação.
Publicado
22-02-2013