ESTUDO DO ESPECTRO DE RESSONÂNCIA PARAMAGNÉTICA ELETRÔNICA DO FERRO EM CERÂMICAS ARQUEOLÓGICAS

  • Gabriel Vasconcelos De Sousa UENF
  • Giovana Maria Mangueira De Almeida UENF
  • Roberto Weider De Assis Franco UENF
Palavras-chave: Cerâmica Arqueológica, Ressonância Paramagnética Eletrônica, Arqueometria,

Resumo

O objetivo é avaliar a possibilidade de utilização do espectro de ressonância paramagnética eletrônica do ferro (Fe3+) para estimar a temperatura de queima de cerâmicas arqueológicas indígenas de tradição Una, proveniente do Estado de Goiás. Os resultados serão comparados com os dados obtidos em um trabalho prévio, onde foram estudadas amostras da mesma tradição, da cidade de Campos dos Goytacazes, Estado do Rio de Janeiro.As amostras são fragmentos de cerâmicas arqueológicas provenientes do sítio Gruta do Diogo (sítio GO-JA-01), localizado no município de Serranópolis, Estado de Goiás. As amostras têm cerca de 1000 anos de idade e foram doadas pelo Museu Histórico de Jataí Francisco Honório de Campos, do município de Jataí, Estado de Goiás. As cerâmicas serão fracionadas para a separação das frações \"argila\" e silicato e as amostras serão submetidas a tratamentos térmicos para que sejam estimados os efeitos da temperatura nos sinais de ferro das cerâmicas. Então serão obtidos os espectros de ressonância paramagnética eletrônica do ferro para análise.Serão monitoradas as alterações que os aquecimentos provocarão nos espectros de ressonância paramagnética eletrônica (RPE) e então será avaliada a possibilidade de correlação entre a temperatura de aquecimento das amostras e o respectivo espectro de RPE. Sendo estabelecida esta correlação, poderão ser estimadas a temperatura de queima e o modo de preparação das cerâmicas pelos índios.As amostras de cerâmica de tradição Una são simples e sem decoração. As informações obtidas serão importantes para a previsão da temperatura em que estas cerâmicas foram feitas pelos índios dessa região e com isso, compreender a cultura dos ancestrais.
Publicado
07-03-2013