UTILIZAÇÃO DE CINZA DE CAPIM-ELEFANTE EM CERÂMICA VERMELHA

  • Lucas Da Silva Lovise UENF
  • Carlos Maurício Fontes Vieira UENF
Palavras-chave: Cerâmica argilosa, Incorporação, Cinza de capim-elefante,

Resumo

Este trabalho tem por objetivo geral caracterizar e incorporar em cerâmica argilosa, a cinza proveniente da incineração de capim-elefante pela indústria de cerâmica vermelha. A caracterização das matérias-primas consiste na determinação da composição mineralógica, composição química e características físicas.Serão preparadas composições com incorporação de cinza na massa cerâmica nas quantidades de 0 a 30% em peso. A homogeneização das matérias-primas será realizada em galga misturadora de pista lisa. A plasticidade das massas será determinada pelo método de Atterberg. Serão elaborados corpos-de-prova por extrusão em maromba de laboratório nas dimensões de 120 x 30 x 12 mm. Os corpos-de-prova serão queimados em forno de laboratório utilizando uma taxa de aquecimento constante de 2ºC/min, com temperaturas de patamar variando de 600ºC a 1050ºC. Serão determinadas as propriedades físicas e mecânicas como densidade aparente, absorção de água, retração linear e tensão de ruptura à flexão.Espera-se que a cinza apresente um teor considerável de óxidos fundentes alcalinos que possam atuar na redução da porosidade da cerâmica. Além disso, cinzas atuam como material não plástico, o que pode ser benéfico à trabalhabilidade/plasticidade das argilas de Campos.A cinza de capim-elefante possivelmente apresenta uma composição química e mineralógica benéfica ao seu uso como um componente secundário em mistura com argilas para a fabricação de massa de cerâmica vermelha.
Publicado
11-03-2013