RECONSTITUIÇÃO VESICAL EM CÃES: ENXERTO COM TÚNICA ALBUGÍNEA BOVINA CONSERVADA

  • Gabriele Barros Mothé UENF
  • Letícia Leal De Oliveira UENF
  • Edmundo Jorge Abílio UENF
  • Marcia Cristina Da Cruz UENF
  • Camila Anselmé Dutra UENF
Palavras-chave: Cães, Xenoenxerto, Bexiga,

Resumo

Alternativas para reconstituição do aparelho urinário, principalmente no que diz respeito à reconstrução vesical, têm sido pesquisadas objetivando a melhoria do órgão, além do desenvolvimento de novos biomateriais mais apropriados para tal procedimento. A reconstituição vesical em cães com o enxerto de túnica albugínea poderá promover o bem-estar do paciente por possibilitar-lhe a micção pela via natural e por disponibilizar material e procedimento de baixo custo, permitindo o uso rotineiro.Foram utilizados nove cães adultos, sem raça definida, machos e fêmeas, nos quais se realizou defeito vesical de aproximadamente 4 x 3 cm, onde foi fixado um enxerto de túnica albugínea bovina, conservada em glicerina a 98% em temperatura ambiente. Os animais foram avaliados clinicamente, por ultra-sonografia e EAS sendo distribuídos em três grupos, para a retirada de amostra para biópsia da interface do xenoenxerto com a bexiga, aos 35, 56 e 77 dias pós-operatórios.Clinicamente não se observaram sinais de rejeição, nenhum óbito ou complicações pós-operatórias. Havia urotelização no local do xenoenxerto em todos os animais, sendo a túnica incorporada às bexigas aos 77 dias, porém, observou-se mineralização aos 35 dias e metaplasia óssea aos 77, ambas com dimensões microscópicas e que não interferiram na fisiologia do órgão.Conclui-se que o emprego da túnica albugínea bovina conservada, como um xenoenxerto em bexiga canina, é de fácil aquisição, armazenamento e utilização. Revelando-se uma alternativa com bons resultados, de baixo custo e fácil procedimento.
Publicado
11-03-2013