ANÁLISE DO COMPORTAMENTO MEIÓTICO EM PASSIFLORA ORGANENSIS GARDN.

  • Amanda Silva De Azevedo UENF
  • Telma Nair Santana Pereira UENF
  • Sérgio Alessandro Machado Souza UENF
Palavras-chave: Passiflora organensis, Espécie silvestre, Cromossomos,

Resumo

Passiflora organensis pertence ao gênero Passiflora subgênero Decaloba. A maioria das espécies desse subgênero é diplóides com 2n=2x=12 sendo o número básico x=n=6 cromossomos e as espécies são autocompatívies; portanto, é uma espécie silvestre com uso potencial no melhoramento do maracujazeiro. Este estudo objetivou analisar a meiose desta espécie verificando a formação dos produtos posmeióticos e a viabilidade polínica visando estudar o comportamento reprodutivo da espécie.Para análise da meiose e índice meiótico (IM), botões florais foram coletados e fixados em solução 3:1 (etanol: ácido acético). Lâminas foram preparadas com carmim acético 1% e observadas sob microscópio ótico. Para o IM, quatro lâminas foram preparadas e contadas 500 células/lâmina (produtos pós-meióticos normais e anormais) e foi estimada a porcentagem dos produtos meióticos normais. Para a viabilidade polínica, os botões coletados foram fixados em álcool a 70%. Oito lâminas foram preparadas com duas anteras/lâmina maceradas em solução tripla de Alexander. Foram contados 250 grãos de pólen/lâmina (polens viáveis e inviáveis) e calculada a percentagem de polens viáveis desta espécie.As fases encontradas, meiose I e II e anáfase I e II, não indicaram nenhuma irregularidade meiótica indicando que os seis bivalentes apresentaram segregação correta. O índice meiótico desta espécie foi alto, com porcentagem de 93,45% dos produtos pós-meióticos normais, indicando que a meiose originou a maioria dos seus produtos corretamente. A viabilidade polínica foi de 89,45% de grãos de pólen viáveis, sendo este um valor próximo a 90%; esse valor indica que uma grande quantidade dos grãos polens é viável, sendo, portanto a espécie altamente fértil e com boa capacidade reprodutiva.Concluí-se que a espécie P. organensis apresenta o comportamento meiótico normal, com seis bivalentes e segregação normal, resultando em índice meiótico e viabilidade polínica boa; portanto, a espécie é estável citologicamente, e pode ser usada em programas de melhoramento do maracujazeiro.
Publicado
26-03-2013