ATIVIDADE DE PEPTÍDEOS ANTIMICROBIANOS EM DIFERENTES CULTIVARES DE SEMENTES DE VIGNA UNGUICULATA RESISTENTES A PATÓGENOS.

  • Layrana de Azevedo dos Santos
  • Cruz Lp
  • Freire Filho Fr
  • Oliveira Aea
  • Gomes Vm
Palavras-chave: Defensinas, Vigna unguiculata, Levedura

Resumo

Nos últimos anos um número crescente de peptídeos antimicrobianos (AMPs) têm sido isolados de plantas e, em particular a partir de sementes. Este trabalho tem como objetivo caracterizar AMPs presente em dez cultivares de sementes de Vigna unguiculata resistentes a patógenos, definir alguns parâmetros bioquímicos e avaliar a atividade antimicrobiana destes contra diferentes leveduras. Inicialmente, as proteínas presentes na farinha de sementes foram extraídas de acordo com Carvalho et al. (2001), dialisado contra água e nomeado extrato rico em peptídeos (ERP). Este ERP foi submetido a uma cromatografia de troca catiônica em DEAE-Sepharose e uma das frações resultantes, denominada D2, enriquecida com peptídeos, foi submetido a cromatografia de fase reversa em HPLC em coluna C2/C18. Fração D2 foi submetido a teste de ELISA usando anticorpos anti-defensina, o qual detectou uma proteína imunorelaciona a defensina. Analisamos também a capacidade da fração de D2 inibir o crescimento das leveduras Saccharomyces cerevisiae, Candida tropicalis, Candida albicans e  g.mL-¹.mKluyveromyces marxiannus, nas concentrações de 200 e 400 Notamos que a fração D2 em 200 u g.mL-¹ isoladas dos cultivares Potengi e Gurgueia, inibiu em 90% o crescimento de S. cerevisiae.
Publicado
05-04-2013