DISTRIBUIÇÃO DO C ORGÂNICO EM CLASSES DE AGREGADOS DE SOLOS SOB PLANTIOS DE CANA-DE-AÇÚCAR

  • Laís de Carvalho Vicente
  • Emanuela Forestieri da Gama-Rodrigues
Palavras-chave: Agregação do solo, Matéria orgânica, Seqüestro de carbono

Resumo

Atualmente o Brasil é um dos maiores produtores mundiais de cana-de-açúcar. Mas, observa-se que muito ainda pode ser melhorado. Como não há possibilidade do fim dessa cultura, há a necessidade de construção de alternativas para, quem sabe, ter acesso ao tipo de desenvolvimento sustentável tanto almejado. Portanto, cresce o interesse em se estudar o estoque de C orgânico nos solos. E esse trabalho tem como objetivo avaliar o estoque de C em solos sob cana-de-açúcar com e sem queima. Amostras de solos serão coletadas em áreas de cana-de-açúcar com e sem queima, até a profundidade de 1 m. O solo será fracionado em classes de agregados de acordo com o procedimento de Elliot (1986) e Gama-Rodrigues et al. (2010). O peneiramento é feito manualmente e no final serão obtidas três classes de agregados: macroagregados (2000-250 mm), microagregados (250-53mm) e fração argila + silte (<53mm). A análise de carbono será feita pelo processo de combustão seca em analisador Perkin Elmer CHNS, através de pesagem em recipientes de alumínio de 10 mg de solo finamente moído, sendo a digestão desses materiais processada em câmera de combustão fechada a 900ºC (Nelson e Sommers, 1980). Com base nos dados do C orgânico em profundidade nestas áreas, poderemos estimar de que forma a queimada da palha da cana afeta a dinâmica da matéria orgânica destes solos. Estes dados servirão de base para a recomendação do manejo de solos em cana-de-açúcar, visando à manutenção da produtividade dos solos.
Publicado
11-04-2013