ESTUDO SOBRE A RESISTÊNCIA DE ESTIRPES BACTERIANAS DE ANIMAIS SILVESTRES SOB DIFERENTES MANEJOS

  • Camilla da Silva Quintanilha Azambuja
  • Ursula Taveira Domingues da Cruz Machado
  • Maria Luiza Ribeiro da Costa Serafim
  • Francisco C. R. de Oliveira
  • Olney Vieira-da-Motta
Palavras-chave: Bactérias, Macacos rhesus, Emas

Resumo

Animais selvagens podem albergar bactérias de relevância na cadeia de transmissão de doenças para outros animais, inclusive as de importância zoonótica, além de contribuir para cargas de genes de resistência no ambiente. Mudanças no perfil de resistência de micro-organismos podem ser atribuídas a ações antrópicas. Investigaram-se os perfis de resistência a drogas de bactérias isoladas de macacos rhesus (Macaca mulatta) e emas (Rhea americana) mantidas sob manejo humano em diferentes ambientes. Analisou-se swabs cloacais de 10 emas de criatório conservacionista particular e swabs da região retal de 30 macacos rhesus da FIOCRUZ-RJ. As amostras foram processadas em Ágar McConkey, Sangue e Muller Hinton para crescimento bacteriano. As colônias foram avaliadas quanto às características morfotintoriais, padrão de hemólise e testes bioquímicos (Oxidase, Catalase, INVIC, SIM, Malonato, Uréia, Esculina, Lactose, Trealose, Maltose, Sorbitol, Arginina e Ornitina). Os isolados foram submetidos a testes de resistência e sensibilidade a antimicrobianos, através do uso de antibiograma pelo método de disco por difusão em Ágar. Após a identificação do gênero e espécie foram realizados os respectivos antibiogramas para verificar a resistência das mesmas aos antibióticos testados. Houve predominância de colônias Gram-negativas nas amostras. Nos swabs referentes às emas ocorreu predomínio de Escherichia coli (alto índice de sensibilidade), Enterobacter sp, E. agglomerans e a E. taylorae (todas resistentes à ampicilina) e Escherichia fergusonii (sensível a todos). Nos primatas as bactérias E. agglomerans, E. coli, Kluyvera cryoscences, Citrobacter freundii, Leminorella richardii, Providencia alcalifaciens, Serratia odorifera e Salmonella choleraesius apresentaram baixa resistência a antibióticos. Conforme o esperado os resultados obtidos dos isolados de amostras de emas criadas na propriedade mostraram baixa taxa de resistência bacteriana, quando comparados aos dos isolados de macaco mantidos em cativeiro e maior contato com humanos, cujo patamar de resistência foi mais elevado.
Publicado
16-04-2013