OXIGENAÇÃO EXTRACORPÓREA POR MEMBRANA EM CÃES (CANIS FAMILIARIS)

  • Gisele Barreto da Silva
  • André Lacerda de Abreu Oliveira
  • Alessandra Castello da Costa
  • Bethânia do Amaral Falcão
Palavras-chave: ECMO, Insuficiência Respiratória, Oxigenador de Membrana

Resumo

As técnicas de suporte avançado à vida são utilizadas no tratamento de pacientes com insuficiência respiratória aguda objetivando melhorar a oxigenação do paciente. Nesses pacientes muitas vezes os cuidados de terapia intensiva não são suficientes para impedir a piora do caso necessitando a aplicação de técnicas de suporte mecânico. O uso da oxigenação extracorpórea por membrana (ECMO) é recomendado em casos onde a ventilação convencional não foi suficiente para melhorar o quadro do paciente. O animal será submetido à ECMO através do desvio artério-venoso, com a saída do sangue pela artéria femoral e a reinfusão pela veia femoral. Será feita uma incisão de pele no trígono femoral do membro esquerdo, o tecido celular subcutâneo divulsionado e a artéria femoral identificada, dissecada e isolada com fita cardíaca e torniquetes de Rumel, sendo posicionado um cateter que será fixado com fio de algodão tendo sua extremidade obliterada até sua conexão ao oxigenador. O sangue seguirá o trajeto: artéria femoral, tubo conector, oxigenador de membranas, e, após a remoção do CO2 e o recebimento de O2, o sangue flui de volta para o organismo através de outro tubo conector até a veia femoral. A ECMO é um meio eficaz para melhorar a oxigenação e remover o dióxido de carbono enquanto permite a recuperação dos pulmões vitimados por uma injuria aguda, garantindo durante esse período a perfusão dos órgãos. A utilização do desvio arterio-venoso para impulsionar o sangue para o oxigenador de membrana reduz os traumas sanguíneos e diminui o custo da técnica, pois, como é o próprio coração do paciente que impulsiona o sangue para o sistema, não é necessário o auxilio de bombas externas e da maquina de circulação, podendo ser realizada fora do centro cirúrgico dentro da sala de terapia intensiva. Esse desvio é mais acessível por não necessitar de suporte mecânico sendo mais simples e com menos complicações que os demais. Com o desenvolvimento da técnica, acredita-se que a ECMO possa vir a ser utilizada rotineiramente em animais com doença pulmonar grave quando as demais técnicas falharem.
Publicado
18-04-2013