IDENTIFICAÇÃO MOLECULAR DE BACTÉRIAS ASSOCIADAS AOS QUATRO ESTÁGIOS DE VIDA DO MOSQUITO AEDES AEGYPTI

  • Sâmella Machado
  • Francisco José Alves Lemos
  • Nádia Monesi
Palavras-chave: Aedes aegypti, microbiota, DNAr 16S

Resumo

Inúmeros artigos científicos têm mostrado que insetos hospedam microrganismos, e que a interação destes microrganismos com os insetos vetores de doenças pode ser um fator importante no controle da transmissão de patógenos. O estudo da microbiota dos quatro estágios de vida do mosquito Ae. aegypti pode ajudar a entender a importância das bactérias para a fisiologia dos insetos vetores, e possibilitar o desenvolvimento de novas estratégias de controle de doenças transmitidas por insetos. O gene rDNA 16S dos isolados bacterianos foi amplificado utilizando os pares de iniciadores universais 27F e 1492R. Os produtos das amplificações foram analisados por eletroforese horizontal em gel de agarose a 1% em TAE 1X. A banda de DNA correspondente a 1500 pb foi purificado com a utilização do GFX PCR DNA and GEL Band Purification Kit. Os valores obtidos na quantificação foram utilizados para os cálculos dos volumes de amostra a serem aplicados nas reações de sequenciamento. As reações de sequenciamento foram realizadas no Laboratório de Análise da Expressão Gênica-Departamento de Análises Clinicas Toxicológicas e Bromatológicas na Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão. O isolado O3 foi identificado como Klebsiella sp., gênero de bactéria encontrada em intestino médio de Ae. aegypti, e em C. venezuelensis e também em Ae. Aegypti. L1 e P6 foram identificados como Enterobacter sp. Bactérias do gênero Enterobacter sp. foram isoladas de Culex spp., Mansonia titillans, C. coronator ,C. venezuelensis e também de Ae. aegypti. O isolado P9 com foi identificado como Aeromonas sp., este gênero de bactéria já foi isolado de ostras, de peixes e também de mexilhões. Os isolados A1 e A9 identificados como Paenibacillus sp. essas bactérias são conhecidas por causar infecção em abelhas. Pode-se verificar a presença de diversos gêneros de bactérias presentes nos quatro estágios de vida do mosquito Ae. Aegypti. Estas bactérias seriam, assim, possíveis simbiontes desta espécie de mosquito.
Publicado
19-04-2013