CULTIVO MÍNIMO 'IN VITRO' DE BATATA-DOCE (IPOMOEA BATATAS)

  • Renato Gobbi Vettorazzi
  • Virginia Silva Carvalho
  • Rosana Rodrigues
  • Cláudia Pombo Sudré
  • Leandro Simões Azeredo Gonçalves
Palavras-chave: Conservação de germoplasma, Cultura de tecidos vegetais

Resumo

A cultura de ápices meristemáticos de batata-doce permite a conservação dos acessos em bancos de germoplasma 'in vitro', com economia de espaço, mão-de-obra e recursos financeiros quando comparado a conservação a campo. Este trabalho objetivou avaliar o crescimento e a sobrevivência de plantas de batata-doce (acesso UENF 1931) empregando técnicas de cultivo mínimo 'in vitro' visando à formação de um banco de germoplasma de batata-doce 'in vitro' na UENF. O delineamento utilizado foi o DIC em um esquema fatorial 4 x 4 x 2 que consistiu em quatro concentrações dos sais minerais do meio MS (0, 10, 50 e 100%), quatro concentrações de sacarose (0, 10, 20 e 30 g L-1) e duas temperaturas (18±2 °C e 27±2 °C), perfazendo um total de 32 tratamentos com 10 repetições. Cada repetição consistiu de um tubo de ensaio com 10 mL de meio de cultura e um explante. Segmentos nodais do acesso UENF 1931 de plantas mantidas 'in vitro' foram utilizados como explantes. A cada 30 dias, durante 90 dias, que é o período recomendado para subcultivo da batata-doce 'in vitro', foram avaliados a altura das plantas, o número de folhas e a taxa de sobrevivência. Após 90 dias, as plantas de todos os tratamentos apresentaram alta taxa de sobrevivência. A temperatura de 18 °C proporcionou redução significativa na altura das plantas quando comparada a temperatura de 27 °C nos tratamentos que continham sais minerais do meio MS e sacarose. O número de folhas não foi afetado por estas duas temperaturas, exceto para os tratamentos: MS 100% com 20 ou 30 g L-1 de sacarose e sais do MS 50% com 10 g L-1 de sacarose, onde houve redução a 18 °C. De modo geral, as menores concentrações de sacarose e de sais minerais do meio MS proporcionaram menor altura das plantas e menor número de folhas, mas não afetaram a sobrevivência até aos 90 dias de cultivo 'in vitro' Para subcultivos a cada 90 dias, todos os tratamentos podem ser utilizados, pois não afetaram a sobrevivência das plantas. Porém, os tratamentos com redução da temperatura, dos sais do MS e da sacarose proporcionaram menor crescimento, devendo ser testados para subcultivos superiores a 90 dias.
Publicado
22-04-2013