ALTERAÇÕES METABÓLICAS EM SALVINIA AURICULATA EXPOSTAS A CONCENTRAÇÕES AGUDAS DE CD E CU

  • Andresa Lana Thomé Bizzo
  • Aline Chaves Intorne
  • Fabiana Martins Ribeiro
  • Marina Satika Suzuki
  • Bruno dos Santos Esteves
Palavras-chave: Metal, Macrófitas Aquáticas, Estresse oxidativo

Resumo

Cd e Cu são encontrados em efluentes oriundos de pesticidas, galvanoplastia e baterias. Cd é considerado elemento não-essencial tóxico, que causa alterações na atividade fotossintética e danos proteícos. Cu é um micronutriente essencial, que em elevada concentração é tóxico, gerando mudanças na integridade das membranas biológicas. Neste sentido, o objetivo foi avaliar as respostas metabólicas da macrófita flutuante S. auriculata a adição de Cd e Cu. S. auriculata foi aclimatada por 7 dias (16h/claro e mol fótons m-2 s-1) em solução de Hoagland 50%. Em seguida,m8h/escuro; 30ºC; 50  5g de planta foi mantido em 1L de solução de Hoagland 50% acrescido de Cd e Cu (0, 1 e 10 mM) por 2 dias com 9 repetições por tratamento. Ao final foram avaliados os parâmetros: pigmentos fotosintéticos, antocianinas, flavonóides, compostos fenólicos, extravasamento de eletrólitos, prolina, carboidratos, aldeídos e peroxidação lipídica (MDA). ANOVA foi aplicado para identificar os efeitos do tratamento com comparações post hoc, usando o teste de Tukey ao nível de significância de 5%. Para verificar a relação entre variáveis foi usado Correlação de Pearson. Clorofila a reduziu com o incremento de Cu, tendo 50% de perda em 10 mM, diferente de Cd (?10%). Clorofila b apresentou aumento próximo de 50% para Cd e Cu. A razão clorofila a/b foi alterada para os metais, refletindo mudanças no balanço de PSII/PSI, devido à degradação dos pigmentos fotossintéticos. A redução dos carotenóides pode estar relacionada à proteção das clorofilas contra danos causados por estresse oxidativo. Carboidratos e prolina reduziram mais de 50% com o aumento da concentração de Cd e Cu. Antocianinas, flavonóides e compostos fenólicos apresentaram elevação para Cd de 31%, 10% e 11%, respectivamente, sugerindo adaptabilidade da planta ao estresse, diferente de Cu. S. auriculata é provida de um mecanismo de detoxificação mais eficiente para Cd quando comparada a Cu, devido comportamento redox deste metal. Isto leva à formação exacerbada de espécies reativas de oxigênio, induzindo danos as membranas biológicas e desnaturação protéica.
Publicado
26-04-2013