INVESTIGAÇÃO DE SURTO DE RAIVA BOVINA OCORRIDO EM MUNICÍPIO DA REGIÃO NORTE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO NO ANO DE 2010

  • Thiago Bernardo Pedro
  • Fidélis Augusto Maia de Azevedo
  • Marcos Aurélio Dias Meireles
  • Luiz Fernando Pereira Vieira
  • Sílvia Regina Ferreira Gonçalves Pereira
Palavras-chave: Lyssavirus, Epidemiologia, Controle

Resumo

Doenças que acometem o sistema nervoso vêm se tornando cada vez mais importantes na Clínica Médica de Grandes Animais. No Brasil, a raiva rural tem gerado prejuízos incalculáveis à Pecuária. A raiva é causada por um vírus RNA, do gênero Lyssavirus, família Rhabdoviridae. Animais silvestres servem como reservatórios por longos períodos. O objetivo deste trabalho é relatar a investigação de um surto de raiva bovina ocorrido entre abril e maio de 2010 em Cardoso Moreira no Estado do Rio de Janeiro. O surto ocorreu entre os meses de abril e maio de 2010, e duas propriedades vizinhas na localidade de São Joaquim, município de Cardoso Moreira-RJ, nas quais houve casos de raiva em bovinos, foram investigadas. A investigação foi promovida pela Secretaria de Agricultura, Pecuária, Pesca e Abastecimento (SEAPPA-RJ). Nas propriedades acometidas, a investigação foi realizada por meio de questionário aplicado aos produtores rurais, observação dos locais de produção, procura por abrigos de morcegos hematófagos nas redondezas e georreferenciamento com aparelho sensor geográfico de posição (GPS). As coordenadas mostram que as propriedades ficam na latitude S21o30’28,7’’ e longitude W041o27’20,5’’. Um abrigo de morcegos hematófagos foi encontrado em uma casa abandonada dentro de uma das propriedades. Os rebanhos acometidos eram criados de forma semi-intensiva e compostos por animais de todas as idades, mas principalmente vacas de leite, já que a produção leiteira constitui a principal atividade na área. Nenhum dos animais tinha sido vacinado contra a raiva. Ao todo, 22 bovinos foram acometidos, a maioria bezerros(as) e novilhos(as), apresentaram incoordenação motora e paralisia dos membros, decúbito lateral e vieram a óbito. Amostras de cérebro de dois animais foram enviadas ao laboratório do Setor de Virologia da PESAGRO-RIO e o diagnóstico foi positivo para a raiva nos dois casos. É essencial o constante controle epidemiológico da raiva no Norte Fluminense, pois a área é enzoótica para a virose. Tal controle só é possível com a conscientização dos proprietários, para que vacinem os animais anualmente, notifiquem os casos suspeitos de raiva e a presença de abrigos de morcegos.
Publicado
29-04-2013