LISOSSOMOS NÃO ESTÃO ENVOLVIDOS NA VIA DE DEGRADAÇÃO DA ÓXIDO NÍTRICO SINTASE INDUZIDA EM MACRÓFAGOS INFECTADOS COM TOXOPLASMA GONDII.

  • Gabriel Rabello de Abreu Cabral
  • padrão j. c.
  • Renato Damatta
Palavras-chave: Toxoplasma gondii, Óxido Nítrico Sintase induzida, Lisossomo

Resumo

Toxoplasmose é uma zoonose de grande prevalência mundial e tem como agente etiológico o parasito intracelular obrigatório Toxoplasma gondii. Macrófagos são células do sistema imunológico e quando ativados produzem óxido nítrico (NO), reação catalisada pela Óxido Nítrico Sintase induzida (iNOS). Macrófagos infectados pelo T. gondii param de produzir NO, pois a iNOS degrada. O objetivo desse trabalho é determinar se o lisossomo participa na via de degradação da iNOS após infecção com T. gondii. A linhagem de macrófago murino J774-A1 foi cultivada em garrafas de 25 cm2 com Dulbecco's Modified Eagle's Medium e 5% de soro fetal bovino. As células foram plaqueadas sob lamínulas redondas em placas de 24 poços, ativadas com interferon-gamma e lipopolissacarídeo por 24h, tratadas com concanamicina A, um inibidor de bomba de prótons, e, portanto, de lisossomo, e infectadas com T. gondii, cepa RH. Após tratamento e infecção, lamínulas e sobrenadantes foram coletados para ensaio de imuno localização da iNOS e dosagem de NO, respectivamente. Laranja de acridina e brometo de etídeo foram utilizados para verificar a inibição dos compartimentos ácidos e viabilidade das células, respectivamente. Macrófagos tratados com concanamicina A na concentração de 1nM apresentaram compartimentos ácidos completamente inibidos e boa viabilidade celular. Após tratamento dos macrófagos com concanamicina A e infecção com T. gondii, observou-se por imunofluorescência que a iNOS desapareceu do citoplasma destas células. Esses macrófagos também apresentaram inibição na produção de NO. Tratamento com concanamicina A inibiu lisossomo sem afetar a viabilidade de macrófagos. Macrófagos tratados e infectados com T. gondii não expressaram iNOS e produziram menos NO. Portanto, lisossomo não está envolvido na via de degradação da iNOS de macrófagos infectados com T. gondii.
Publicado
02-05-2013