SUSCEPTIBILIDADE ÀS DOENÇAS INFECCIOSAS EM LACTENTES EXPOSTOS À TRANSMISSÃO MATERNO-INFANTIL DO HIV NÃO INFECTADOS E FATORES DE RISCOS ASSOCIADOS

  • Raphael Freitas Jaber de Oliveira
  • Enrique Medina-Acosta
  • Regina Célia de Souza Campos Fernandes
Palavras-chave: Doenças infecciosas, expostos ao HIV não infectados, transmissão materno-infantil

Resumo

O sucesso na prevenção da transmissão materno-infantil do HIV resultou em um aumento dos expostos ao HIV não infectados. Neste grupo tem sido relatada uma maior vulnerabilidade à aquisição de infecções, explicada pela ausência de amamentação, saúde materna e do recém-nascido, maior exposição a infecções e aos antirretrovirais. O objetivo deste trabalho é caracterizar a ocorrência de infecções entre os lactentes expostos não infectados e identificar fatores de risco associados. Coorte histórica de 213 gestantes HIV+ e seus lactentes não infectados (2001-2010). Criação de banco de dados a partir dos prontuários sobre as variáveis de exposição (peso de nascimento, prematuridade, tipo de infecção no primeiro ano de vida; carga viral e contagem de CD4 maternas próximos ao parto, uso de terapia antirretroviral na gestação, no parto e recém-nascido) e desfecho (episódio infeccioso). Determinação de frequências das variáveis e análises bivariadas entre as variáveis de exposição e desfecho. Cálculo de riscos relativos (RR) de infecção, com intervalo de confiança de 95% (IC95). Significância estatística das associações. Foram registrados 288 episódios infecciosos em 194 (91,07%) crianças, com a seguinte distribuição: 109 (37,84%) de pele e mucosas, 65 (23,96%) do trato respiratório inferior, 58 (20,13%) do trato gastrointestinal, 37 (12,84%) do trato respiratório superior, 8 (2,77%) de rins e trato urinário, 4 (1,38%) sistêmicas e 3 (1,04%) congênitas. Lactentes de mães com CD4 < 350 células/mm³ apresentaram maior risco (RR=2,4; IC95 1,5-3,5; p=0,003) de infecção do que lactentes de mães com CD4 > 350 células/mm³. O maior risco (RR=1,9; IC95 1,4-2,2) foi de infecções do trato respiratório inferior. As demais variáveis de exposição não mostraram associação estatisticamente significante com o desfecho. As infecções foram frequentes entre os expostos ao HIV não infectados durante o primeiro ano de vida. O estado imunológico da mãe foi associado a um maior risco de infecção, especialmente do trato respiratório inferior.
Publicado
02-05-2013