ELEVANTAMENTO DE HYMENOPTERA EM FRAGMENTO CULTIVOS DE TOMATEIRO NA REGIÃO DE SÃO JOSE DE UBÁ, RJ

  • Rodrigo Bittencourt Couto
  • Giselle Braga Menezes
  • Maria Cristina Gaglianone
Palavras-chave: Hymenoptera, Fragmentos, Tomateiro

Resumo

A ordem Hymenoptera, composta por vespas, abelhas e formigas, possui cerca de 115.000 espécies em 99 famílias. Participam de processos ecológicos, como a polinização e o controle populacional de outros Arthropoda, regulando a sua abundância em ecossistemas naturais e agrícolas. O objetivo deste estudo é analisar a abundância de Hymenoptera em fragmentos florestais e áreas de cultivo do tomateiro em São José de Ubá-RJ. O estudo foi realizado em São José de Ubá-RJ. Foram selecionadas 5 áreas de cultivo do tomateiro e 5 fragmentos de floresta. Durante o período de floração do tomateiro (agosto de 2010), foram instaladas nas áreas de estudo armadilhas coloridas (azul, amarela e branca) dispostas no chão em conjuntos de 3, correspondendo a uma unidade amostral. Cinco unidades amostrais (total 15 armadilhas) formam um plot e em cada área de estudo, 2 plots foram instalados paralelamente. Dentro de cada armadilha, foi utilizada uma mistura de água e detergente para a captura dos insetos. Após 24h, as armadilhas foram recolhidas e os insetos capturados levados ao laboratório para contagem e identificação. Foram capturados, no total, 2697 Arthropoda nos fragmentos florestais e 676 nas áreas de cultivo do tomateiro no período de estudo. De modo geral, observou-se maior número de espécimes da ordem Diptera atraídos às armadilhas nos dois habitats, seguido da ordem Hymenoptera (52% nos fragmentos; 10,4% nos cultivos). Além destes, destacaram-se também nas amostras, indivíduos de aranhas, com maior abundância observada nos fragmentos florestais (4,4%). Representantes das ordens Coleoptera, Orthoptera, Lepidoptera, Hemiptera, Trichoptera e Blattodea também foram atraídos às armadilhas coloridas, porém, com baixos valores de abundância nos dois habitats estudados. Os fragmentos florestais estudados apresentaram maior abundância de Diptera e Hymenoptera, em relação às áreas de cultivo. Este resultado era esperado, pois áreas naturais são habitats mais heterogêneos e com possibilidade de reunir maior número de espécimes do que áreas de cultivo monoespecíficas.
Publicado
02-05-2013