ATIVIDADE ANTI-TUMORAL IN VITRO DO EXTRATO, FRAÇÃO E FLAVONÓIDE DA AROEIRA (SCHINUS TEREBINTHIFOLIUS )

  • Maíra Barcellos Marini
  • Willian Rodrigues Freitas
  • Daniela Barros de Oliveira
  • Michelle Frazão Muzitano
  • Milton Masahiko Kanashiro
Palavras-chave: Câncer, Apoptose, Aroeira

Resumo

Nos últimos 30 anos o câncer aparece como uma doença de alto impacto no mundo, sendo responsável por 13,7% dos óbitos registrados no Brasil. Os tratamentos anti-neoplásicos são muito agressivos e provocam muitos efeitos colaterais que limitam sua eficácia. Portanto, a busca de novos compostos com atividade anti-neoplásica é de grande importância. Este trabalho visa avaliar a atividade anti-proliferativa in vitro do extrato, da fração e do flavoníde de Schinus terebinthifolius (aroeira). O extrato metanólico, a fração 1B e o flavonóide Apigenina (concentrações 20; 2; 0,2 ?g/mL) foram incubadas com linhagem celular de leucemia humana células U-937 e a viabilidade celular foi avaliada pelo método de MTT [3(4,5-dimethylthiazol-2-yl)-2,5-diphenyltetrazolium bromide] após 48 horas de incubação. Para verificação do tipo de morte celular induzida pelas amostras, às células foram tratadas por 12, 24 e 48 horas e a avaliação de apoptose foi realizada. As células foram coradas com laranja de acridina mais brometo de etídio (1 mg/mL) e células apoptoticas, necroticas e normais foram discriminadas pelo exame em microscópio de fluorescência. A Apigenina foi isolada da fração 1B do extrato metanólico de Aroeira, e nos tratamentos com 20 ?g/mL reduziu totalmente a viabilidade celular, enquanto que a fração 1B reduziu em 99,0±1,3% e o extrato metanbólico bruto em 94,8±8,7%. A apoptose foi o processo de morte celular preponderantemente induzido pelos tratamentos com 20 ?g/mL em 48 horas. O tratamento com Apigenina induziu 90,4±8,0% de apoptose, enquanto que a fração 1B do extrato metanólico induziu 39,1±0,7% e o extrato metanólico bruto 81,7±3,4%. O processo de necrose não ultrapassou 1% e a porcentagem de apoptose nos grupos controles foi inferior a 2,5%. Nossos resultados mostraram que a apigenina, o flavonóide isolado do extrato metanólico do fruto de Aroeira foi capaz de induzir a morte celular por apoptose sugerindo que estudos mais detalhados devem ser realizados.
Publicado
13-05-2013