DETERMINAÇÃO DE FENÓIS DERIVADOS DA OXIDAÇÃO ALCALINA DA LIGNINA EM SEDIMENTOS DO MANGUEZAL DO ESTUÁRIO DO RIO PARAÍBA DO SUL

  • Emilane Pinheiro da Cruz Lima
  • Ana Paula Teixeira Barreto
  • Ligia Macabu Ribas
  • Gilvan Takeshi Yogui
  • Carlos Eduardo de Rezende
Palavras-chave: Lignina, manguezal, rio Paraíba do Sul

Resumo

A lignina é um polímero fenólico que ocorre basicamente em vegetais superiores. Entre os produtos da reação de oxidação da lignina pode-se destacar seis fenóis vanílicos e siríngicos e dois fenóis cinâmicos. Esses oito fenóis são únicos às plantas vasculares e refletem a taxonomia da planta, o tipo de tecido e o conteúdo de lignina. O objetivo deste estudo é avaliar fontes de matéria orgânica para os sedimentos no estuário do rio Paraíba do Sul. Os sedimentos superficiais (0 a 10 cm) e folhas senescentes foram coletados em três pontos distribuídos aleatoriamente no manguezal. Os sedimentos foram peneirados em peneira de aço inox (malha de 2,0 mm) e depois liofilizados e macerados. O material vegetal foi submetido à secagem em estufa a 80 ºC. A composição elementar e isotópica foram determinadas em um analisador CHN acoplado a um espectrômetro de massas no Laboratório de Ecologia Isotópica do CENA/USP. A amostra foi oxidada em meio alcalino em um sistema de digestão por microondas, como descrito por Hedges et. al., 1979. A injeção foi realizada em um cromatógrafo da Shimaduzo modelo 2010, utilizando coluna capilar DB-1. As composições elementar (C/N) e isotópica (?13C) para folhas foram respectivamente 39,2 ± 3,3 e -26,4 ± 0,1‰ (n = 3), enquanto que para os sedimentos a razão C/N foi 23,5 ± 0,05 e a ?13C foi -28,0 ± 0,05‰ (n = 3). Este resultado sugere que existem outras fontes, internas ou externas, que contribuem na formação do depósito sedimentar (por exemplo, raízes e aporte fluvial). Os resultados dos fenóis de lignina em sedimentos da rizosfera de A. germinans apresentaram razão C/V (0,27 ± 0,05) menor que a razão encontrada nas folhas senescentes (1,35 ± 0,30). Esta menor razão C/V mostra a participação de outras fontes, uma vez que o material foliar é lábil, sendo lixiviado rapidamente do sedimento. A razão (Ad/Al)v foi maior nos sedimentos que nas folhas, indicando que mesmo havendo entrada de material mais recente, o processo de decomposição se evidencia devido a sua maior estabilidade nos sedimentos. Este paradoxo provavelmente está associado as características intrínsecas do vegetal.
Publicado
21-05-2013