A SAÚDE PÚBLICA EM ANGOLA

  • Larissa Pimentel Couto
  • Paula Aparecida Martins Borges Bastos
  • Jorge Ubirajara Dias Boechat
  • Juliana Gonçalves Vidigal
  • Carla Inêz Soares Praxedes
Palavras-chave: Angola, Saúde pública, Educação

Resumo

Brasil e Angola têm um passado marcado pela colonização portuguesa. A partir dos anos 2002, o Estado de Angola vem tentando reorganizar o país, na implementação de estruturas básicas de funcionamento. Nessas estruturas estão incluídas a atenção básica à saúde, a qual ainda apresenta níveis abaixo do desejado em diversos indicadores mundiais. O objetivo deste artigo foi caracterizar a problemática em saúde pública em Angola relacionada com as doenças veiculadas por alimentos. O método utilizado para fazer este artigo foi pesquisa bibliográfica. As fontes pesquisadas foram periódicos, entrevistas, declarações e artigos científicos disponibilizados através da internet. As buscas foram realizadas através de palavras-chave como Angola, saúde pública, educação, doenças transmitidas por alimentos. Com as leituras adquiridas, buscou-se realizar um texto que abordasse a problemática de Angola sob o aspecto da saúde pública, com atenção especial para as doenças transmitidas por alimentos. Angola é um país africano, com grande parte da população sem acesso à água tratada e saneamento básico, além de possuir 42% de analfabetos. O pais possui cerca de 1.458 médicos, sendo a proporção de 0,64 médico nacional para cada 10 mil habitantes, muito abaixo do indicado pela OMS. Isso pode explicar, em parte, a existência de várias doenças endêmicas, tais como Tuberculose, VIH e diarréia. A diarréia é uma síndrome que pode estar relacionada com doenças transmitidas por alimentos ou água, e não há dados específicos sobre o tema, talvez pelo deficiente sistema de saúde e conseqüente diagnóstico. O Brasil capacita profissionais da área de saúde angolanos através da FIOCRUZ. Ainda há muito que se investir em saúde pública em Angola. O Brasil, por sua estreita relação com os países de língua portuguesa e sua experiência nessas áreas, pode ser um grande parceiro, ajudando a formar profissionais capacitados para o combate a diversas doenças endêmicas, tais como a diarréia.
Publicado
12-06-2013