DETECÇÃO DE SALMONELLA SPP EM PRODUTOS LÁCTEOS COMERCIALIZADOS NA REGIÃO NOROESTE FLUMINENSE

  • Amanda Bastos da Silva
  • Evelyn Lepre Fernandes
  • Thiago Medeiros Cordeiros
  • Juliana Gonçalves Vidigal
  • Paula Aparecida Martins Borges Bastos
Palavras-chave: Salmonella spp, Queijo Frescal, Ricota

Resumo

Produtos lácteos são derivados de leite pasteurizado. A disponibilidade de nutrientes e a alta atividade de água destes alimentos tornam o meio favorável ao crescimento microbiano. A contaminação microbiológica por bactérias patogênicas, como a Salmonella spp, no produto destinado ao consumo pode representar um grave problema de saúde pública. O objetivo deste estudo foi detectar a presença do patógeno Salmonella spp nos produtos lácteos comercializados no mercado varejista do Noroeste Flumine Foram analisadas 18 amostras de produtos lácteos adquiridos no mercado varejista do noroeste fluminense. Pesquisou-se nove queijos minas frescal sem rótulo, produzidos de forma artesanal por quatro produtores da região e nove ricotas (quatro marcas). As análises foram feitas no período de setembro de 2010 a março de 2011 no Laboratório de Microbiologia de Alimentos do Instituto Federal Fluminense (IFF), campus Bom Jesus do Itabapoana. A pesquisa de Salmonella spp em queijos e ricotas foi realizada segundo a metodologia descrita no Manual de Métodos de Microbiologia de Alimentos para as etapas de pré-enriquecimento, enriquecimento seletivo, plaqueamento seletivo e provas de triagem. Apesar de queijos frescais artesanais serem considerados alimentos de qualidade higiênico-sanitária duvidosa, pelo risco de uma não utilização plena das Boas Práticas de Fabricação (BPF’s), a presente pesquisa não detectou presença de Salmonella spp em nenhuma das amostras pesquisadas. O mesmo resultado também foi encontrado para as ricotas. Os resultados apresentados estão de acordo com a legislação vigente da ANVISA, que preconiza a ausência de Salmonella spp. As BPF’s visam garantir a qualidade higiênico-sanitária e a segurança dos alimentos. Através desta pesquisa observou-se que as práticas utilizadas na fabricação de queijos e ricotas comercializados no noroeste fluminense são satisfatórias no sentido de prevenir a presença de Salmonella spp.
Publicado
13-06-2013