AVALIAÇÃO DE PARÂMETROS FISICO-QUÍMICOS E MICROBIOLÓGICOS DA ÁGUA CONSUMIDA NO 5° E 6° DISTRITOS DO MUNICÍPIO DE SÃO JOÃO DA BARRA/RJ

  • Tayná de Souza Gomes Simões
  • Tâmmela Cristina Gomes Nunes
  • Bruna Siqueira Corrêa
  • Karla Cabral de Oliveira
  • Vicente de Paulo Santos de Oliveira
Palavras-chave: parâmetros físico-químicos, parâmetros microbiológicos, qualidade de água

Resumo

Quando a água tratada não é fornecida pela rede pública, os moradores utilizam fontes alternativas de captação de água, como poços rasos, assim como constroem fossas sem critério técnico, contaminando o lençol freático. Este trabalho propôs avaliar a qualidade da água consumida no interior de São João da Barra/RJ, o qual não possui fornecimento de água, através de análises físico-químicas e microbiológicas e alertar a população sobre possível incidência de doenças de veiculação hídrica. As saídas foram realizadas em quatro campanhas: duas entre Setembro e Novembro/2010 e duas em Janeiro e Fevereiro/2011. Foram aplicados questionários sócio-ambientais e coletadas amostras de água em vinte escolas da rede pública. Os pontos de amostragem foram: cisterna da escola, cisterna da comunidade e poço da escola. As amostras para análise dos parâmetros físico-químicos foram coletadas em frascos limpos e para microbiológica em bolsas nasco, todas acondicionadas em caixa térmica e levadas para o LabFoz e a um laboratório particular onde foram analisados os parâmetros Cloro Livre e Turbidez e Coliformes Totais e Termotolerantes, respectivamente. Os resultados foram comparados com a Portaria 518 do Ministério da Saúde. Para Cloro Livre, a variação deve estar entre 0,5 mg/L e 2,0 mg/L, apenas 1 escola obteve o valor dentro do ideal, todos os demais pontos não atingiram o mínimo estipulado. Os valores de turbidez não devem passar de 5 NTU, e a maioria das escolas estavam dentro do permitido, já das amostras dos poços 27 foram reprovadas, principalmente no período chuvoso, podendo ser devido ao carreamento de sólidos e contaminação da água. De todas das amostras, 82% foram reprovadas em Coliformes Totais e 31% em Termotolerantes, a maioria no período chuvoso, onde a temperatura é mais elevada, com maior proliferação dos microrganismos. Foi visto que a água destas comunidades não está em conformidade com a legislação. Estes resultados são importantes para que o poder público possa intervir, oferecendo tratamento e fornecimento adequado da água a ser consumida pela população dos 5º e 6º distritos de São João da Barra-RJ.
Publicado
18-06-2013