SEGMENTAÇÃO AUTOMÁTICA EM TOMADAS DE VÍDEO

  • Dyogo Ribeiro Veiga
  • Whanderley Souza Freitas
  • Fábio Duncan de Souza
Palavras-chave: Segmentação de Vídeo, Vídeo Digital

Resumo

Com um número recorde de clips de vídeo sendo acrescentados diariamente em bibliotecas digitais pelo mundo, há a necessidade de uma gestão de tal conteúdo por eficientes meios de armazenamento, de indexação e de recuperação da informação. Deste modo, um caminho natural é automatizar a pesquisa em acervos de vídeo digital baseada em conteúdo. Para tanto, é necessário a segmentação de cada sequência de vídeo em uma forma mais adequada para indexação, apresentação e busca de conteúdo. Inicialmente foram estudados artigos científicos da área de segmentação de vídeo. Uma vez determinadas as políticas a serem investigadas e testadas, foram buscadas as tecnologias que contemplassem os recursos necessários para viabilizar o desenvolvimento do projeto. A linguagem de programação Python foi escolhida por ter codificação de alto nível, ser dinâmica e por possibilitar a criação de código expressivo. A biblioteca Opencv, dedicada a visão computacional, foi utilizada para fazer a detecção das transições, enquanto a biblioteca ffmpeg foi utilizada para realizar o corte dos segmentos de vídeos detectados. Políticas de segmentação baseadas em histogramas e contornos dos objetos das imagens que compõem os vídeos foram implementadas e submetidas a nove vídeos. Estes foram previamente analisados de forma manual para que fosse determinada uma linha base para referência. Os frames de transição encontrados foram separados para que pudessem servir de base comparativa para as políticas de segmentação avaliadas. Comparando tais frames com os encontrados por cada política, verificou-se que a política de bloco de histogramas obteve o melhor resultado. Neste trabalho, foi apresentado o problema da segmentação de tomadas de vídeo. As principais políticas encontradas na literatura foram avaliadas. Apesar do bom resultado alcançado, este somente se aproxima do ideal. Este fato se deve ao grande número de variáveis que envolvem o vídeo digital.
Publicado
18-06-2013