ALTERAÇÕES MORFOLÓGICAS CAUSADAS NO EPITÉLIO INTESTINAL DE RHODNIUS PROLIXUS DURANTE A INTERAÇÃO COM O TRYPANOSOMA RANGELI

  • Kate K. B. da Silva
  • Nadir F. S. Nogueira
Palavras-chave: ultraestrutura, Trypanosoma rangeli, Rhodnius prolixus

Resumo

Introdução: O Trypanossoma rangeli é inofensivo aos mamíferos e patogênico para triatomíneos. Seu ciclo inicia com a ingestão de sangue contaminado que ao atingirem o intestino médio posterior do inseto iniciam sua replicação, atravessam as células epiteliais intestinais, invadem hemócitos, se multiplicam e migram para a glândula salivar onde se diferenciam nas formas infectivas e então inoculadas no vertebrado durante o repasto sanguíneo.Metodologia: Através de alimentação artificial com sangue contaminado com Trypanosoma rangeli, exemplares de triatomíneos da espécie Rhodnius prolixus foram infectados com o tripanossomatídeo para estudo do processo de interação do parasita com as membranas extracelulares das células epiteliais do intestino médio posterior do inseto. Dissecamos os insetos, retiramos o intestino médio posterior, o seccionamos longitudinalmente, lavamos com PBS, para a retirada do bolo alimentar, fixamos em GA 2,5%, pós-fixamos em ósmio, incluímos em epon e os cortes semi-finos obtidos foram observados ao microscópio eletrônico de transmissão ZEISS 900.Resultados: A análise das imagens obtidas por MET demonstraram evidentes alterações morfológicas na superfície das células epiteliais intestinais de Rhodnius prolixus após infecção com o Trypanossoma rangeli. Observamos em cortes seriados que a simples presença do parasita no lúmen intestinal, mesmo sem tocar a superfície das células intestinais, influencia na organização das membranas extracelulares e consequentemente dos microvilos. As membranas extracelulares, de distribuição linear nos insetos controle, formam, nos insetos infectados, uma trama organizada que afasta os microvilos abrindo espaços livres na superfície epitelial.Conclusão: Com base em nossas observações, provavelmente, são as alterações observadas nas membranas extracelulares e distribuição dos microvilos que auxiliam na invasão do epitélio por parte do parasita e causam graves danos ao epitélio e ao inseto como um todo, levando-o à morte.

Biografia do Autor

Kate K. B. da Silva
LBCT – UENF
Nadir F. S. Nogueira
LBCT – UENF