AS CONEXÕES EPISTEMOLÓGICAS E METODOLÓGICAS ENTRE MAX WEBER E HEIRINCH RICKERT

  • Dário Alves Teixeira Filho
  • Daniel Soares Rumbelsperger Rodrigues
Palavras-chave: Epistemologia, Objetividade, Tipo Ideal

Resumo

A presente pesquisa tem o objetivo de mostrar como e em que medida a metodologia das ciências da cultura proposta por M. Weber é fundamentada na epistemologia de H. Rickert. Essa fundamentação constitui-se, dentre outras dimensões, na idéia da infinidade da realidade empírica, de modo que dois problemas específicos surgem relativamente ao modo de proceder das ciências da cultura (e sobre os quais ambos os autores se debruçaram), quais sejam, o da objetividade e o da formação de conceitos.O caráter eminentemente teórico da presente pesquisa determina que procedamos a uma revisão bibliográfica de textos de Weber, Rickert e de outros dois autores que determinaram de maneira sistemática a relação entre aqueles – Thomas Burguer e Guy Oakes. Os métodos de análise, a fim de abstrair dos textos as teses relevantes e torná-las explícitas em sua forma mais determinada, de reconstrução dos argumentos, a fim de articular de maneira sistemática os argumentos aduzidos, e de reflexão crítica, a fim de identificar problemas e de conceber eventuais dificuldades daquelas posições teóricas estabelecidas de modo analítico e reconstrutivo, são os métodos principais segundo os quais procederemos.Temos observado que a vinculação entre Weber e Rickert coloca-se de modo mais claro nas questões da objetividade e da formação de conceitos nas ciências da cultura, de modo que Weber formula sua noção de tipo ideal para lidar com problemas oriundos da filosofia de Rickert e, com respeito à objetividade, o problema é o deconciliar a pretensão à verdade com a posição de que os ob jetos das ciências da cultura são constituídos (por referência a valores) pelo próprio pesquisador, ou seja, não estão dados independentemente de nós. As questões, então, são: como reivindicar a possibilidade de se construir verdades sem aderir ao realismo? & qual é a natureza epistêmica e metodológica do tipo ideal? O tipo ideal surge em Weber como uma solução para o problema dos historiadores terem de trabalhar (de modo distinto do nomológico) com conceitos de gênero, e que a objetividade fica garantida pela distinção entre avaliação e referência teórica a valores e pela presença da idéia de causalidade.