AVALIAÇÃO DO PEGAMENTO E COMPATIBILIDADE DE ENXERTIA ENTRE A GOIABEIRA E ARAÇAZEIROS DE DIFERENTES PROCEDÊNCIAS

  • Graziella Siqueira Campos
  • Jalille Amim Altoé
  • Cláudia Sales Marinho
Palavras-chave: Psidium guajava, Psidium cattleianum, propagação

Resumo

A goiabeira é comercialmente propagada por estaquia, entretanto o nematóide Meloidogyne mayaguensis pode inviabilizar o cultivo da goiabeira sem o uso de um porta-enxerto resistente a essa praga (Cid e Nogueira, 2007). Carneiro et al. (2007) verificaram a resistência de um araçazeiro (Psidium cattleianum) a esse nematóide. O objetivo desse trabalho será verificar o pegamento e a compatibilidade de enxertia entre a goiabeira e seleções de araçazeiros e o tempo para produção da muda enxertada. O inicio da bolsa se deu em março de 2009. O delineamento experimental utilizado será em blocos casualizado (DBC) em esquema fatorial 3x2 no qual serão combinados três tipos de porta-enxertos (seedlings de goiabeira e seedlings de araçazeiros de duas procedências) e dois tipos de enxertia (garfagem e borbulhia), cinco repetições, sendo cada parcela constituída por quatro plantas. Os “seedlings” serão avaliados de 15 em 15 dias quanto à altura, ao número de folhas e ao diâmetro do caule. Até o momento foi realizada a semeadura, que ocorreu no mês de abril de 2009. A enxertia será realizada quando os porta-enxertos estiverem aptos para cada tipo de enxertia. Ainda não há resultados estatísticos e científicos, pois as avaliações biométricas das mudas seminais só começarão a ocorrer no mês de maio. A avaliação da compatibilidade de enxertia somente poderá ser avaliada em longo prazo em relação às características de desenvolvimento, produtividade das plantas e qualidade dos frutos.