AVALIAÇÃO ULTRASSONOGRÁFICA ABDOMINAL E ANATOMOPATOLÓGICA DE COELHOS (ORYCTOLAGUS CUNICULUS LIN)

  • Luiz Fernando Lino de Souza
  • Carla Moreira Salavessa
  • Leonardo Serafim da Silveira
Palavras-chave: Ultrassonografia, coelho, morfologia

Resumo

Tendo em vista que o aumento do número de atendimentos de coelhos em clínicas veterinárias faz-se necessária a padronização ultrassonográfica dos diversos órgãos abdominais, visando um diagnóstico mais preciso para referida espécie, já que a ultrassonografia é o exame de escolha para avaliação destes órgãos. Este trabalho teve como objetivo estudar ultrassonograficamente vesícula urinária, baço, rins e fígado do coelho doméstico (Oryctolagus cuniculus), e comparar estes achados com os da necropsia. No estudo foram utilizados 10 coelhos machos, com peso médio de 1,5Kg, com 90 dias de idade. Os exames ultrassonográficos foram realizados no Setor de Ultrassonografia da Clínica Médica de Pequenos Animais da UENF, para isso foi feita tricotomia abdominal e aplicação de gel acústico. Foi utilizado transdutor linear de 8 MHz, ideal para animais de pequeno porte. Os órgãos foram escaneados para obtenção de seus padrões ultrassonográficos como, ecogenicidade, ecotextura, tamanho e posição. Após o procedimento os animais foram eutanasiados de acordo com a legislação específica vigente e necropsiados para a verificação alterações na morfologia e comparação com os achados da ultrassonografia. Dentre as vesículas urinárias, 6 foram visualizadas preenchidas por urina com pontos ecogênicos em suspensão e 4 não foram visualizadas, por não estarem repletas. O baço foi localizado em todos animais no abdome cranial esquerdo acompanhando a curvatura maior do estômago. Sua ecogenicidade foi superior a do fígado. Os rins foram visualizados em topografia habitual. O comprimento e altura foram obtidos no corte longitudinal tendo uma média de 3,0 cm por 1,45 cm. As avaliações hepáticas de todos os animais assim como as visualizações da vesícula biliares não apresentaram diferenças de ecotextura e ecogenicidade em relação aos cães e gatos. Não foram encontradas alterações nos exames postmortem. Com este estudo concluímos que o exame ultrassonográfico abdominal pode ser facilmente realizado em coelhos (Oryctolagus cuniculus) para a pesquisa de alterações morfológicas, sendo um bom meio de diagnóstico complementar. Porém estudos posteriores são necessários para aprimoramento desta técnica.