COMPARAÇÃO IMUNOQUÍMICA E HEMORRÁGICA ENTRE A SERPENTE AFRICANA BITIS ARIETANS E A SERPENTE BRASILEIRA BOTHROPS ATROX

  • Thais Louvain de Souza
  • Claudia Letícia da Silva
  • Wilmar Dias da Silva
Palavras-chave: Imunoquímica, Filogenética, Hemorraginas

Resumo

Através da composição de veneno, podemos apresentar as relações filogenéticas existentes entre a B.arietans e B. atrox, ambas serpentes de grande importância médica africana e da América Latina, respectivamente. As porções hemorrágicas presentes nos venenos são características da família e contem trombinas, hemorraginas de alto e baixo peso molecular sendo alvo da pressão seletiva que ocorre nessas espécies determinando tanto sua sobrevivência quando a manutenção dos genes na população. O fracionamento molecular dos venenos foi obtido por cromatografia de exclusão molecular em resina S100-HR, com eluição em tampão Tris 2,5 mM-NaCl 150mM com pH 8.0 e fluxo de 1,5ml/min.O perfil cromatográfico de cada veneno foi obtido com leituras de densidade óptica em 280nm e cada fração foi avaliada quanto a capacidade de induzir hemorragia em camundongos suíços, 2h após a injeção intradérmica. De acordo com essas características as frações foram reunidas e analisadas por eletroforese desnaturante. Para avaliar possíveis similaridades de reconhecimento antigênico entre as duas espécies estudadas, foram realizados testes de imunodetecção por ELISA e immunoblotting, utilizando anticorpos IgG e IgY, disponíveis comercialmente e produzidos em nosso laboratório, respectivamente. O reconhecimento de fragmentos HI, HI-4 e TS de B.atrox por soro antibotrópico foi quantitativamente equivalente para TS e HI-4, sendo ambos superiores a HI. Assim como, o soro anti-B.arietans (IgG) e a IgY purificada reconheceram cruzadamente, com maior intensidade, a porção HI-4 do veneno de B.atrox. No immunoblotting, a IgY anti-B.arietans purificada reconheceu apenas uma das bandas da fração TS de B.atrox. A observação do reconhecimento cruzado entre o veneno de B.atrox e o anticorpo anti-B.arietans nos  permite inferir que outros componentes de ambos venenos possuam similaridades de reconhecimento antigênico. Essas informações podem ser importantes para delinear estratégias de neutralização de componentes dos venenos, e para mostrar a estreita relação antigênica entre essas serpentes de subfamílias diferentes, originadas de uma ancestral comum.