DEGRADAÇÃO DE GEOSSINTÉTICOS - SATURAÇÃO E SECAGEM

  • Bernardo Feres Valinho
  • Paulo César de Almeida Maia
Palavras-chave: geossintético, degradação, saturação e secagem

Resumo

Essa pesquisa tem o objetivo de apresentar parâmetros de alteração de durabilidade de materiais geossintéticos muito empregados na Engeharia Civil. Destaca-se que apesar das características da matéria-prima, normalmente não degradáveis a curto prazo, é possível que os geossintéticos estejam sujeitos à degradação rápida no campo. Os principais tipos de procedimentos de laboratório para avaliação da durabilidade dos geossintéticos são: lixiviação contínua, ciclos de saturação e secagem e C-UV B.Nesta pesquisa faz-se a avaliação da durabilidade através de ciclos de saturação e secagem. As amostras de geossintéticos foram fornecidas pela Huesker e são constituídas de cinco geotêxteis trançados com diferentes gramaturas e aditivos anti-ultravioleta. Para tanto se utiliza um tanque com água destilada até cobrir totalmente o porta amostras. Após um ciclo de duas horas ele é retirado e colocado em uma estufa calibrada nas temperaturas definidas permanecendo também por duas horas completando assim um ciclo de saturação e secagem. O programa experimental consiste na produção de amostras com 8, 16, 24, 48, 96 e 192 ciclos em três diferentes temperaturas 50ºC, 75ºC e 100ºC.Até o momento foram produzidas amostras com 50ºC e 75ºC de lixiviação e estão sendo montados cavaletes especiais para degradação natural no campo.Pode-se notar um alteração em sua textura principalmente após muitos ciclos e uma descoloração nas amostras colocadas em 75ºC.Espera-se, no entanto, que com a determinação da variação dos parâmetros mecânicos dos geotêxteis alterados em relação aos não-alterados seja possível determinar correlações entre o tempo de alteração no campo e no laboratório.Assim, os resultados podem indicar os diferentes tipos e intensidades de degradação do material, possibilitando a extrapolação dos resultados para previsão do comportamento a longo prazo.Através da variação dos parâmetros dos geossintéticos degradados em relação aos não-degradados será possível determinar correlações entre o tempo de alteração no campo e no laboratório. Com isto, pode-se chegar a uma previsão da vida útil das obras onde os geossintéticos estudados são empregados.