DESIGUALDADE DE OPORTUNIDADE EDUCACIONAL NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

  • Juliana Machado Fonseca
  • Ailton Mota de Carvalho
Palavras-chave: Educação, Desigualdade, Oportunidade

Resumo

O presente trabalho busca relacionar a atuação dos participantes do Exame Nacional do Ensino Médio, o ENEM, provenientes de escolas públicas e particulares das seis mesorregiões do Estado do Rio de Janeiro, com as notas alcançadas pelos mesmos e as informações dadas através do questionário socioeconômico, com o objetivo de traçar um paralelo quanto à renda e ao nível de educação básica entre os dois grupos. O ENEM 2006 foi a base de dados escolhida por ter sido considerada uma boa fonte da qualidade da educação básica que os alunos estão recebendo de suas escolas de origem, já que a participação no ENEM é facultativa e estimulada por facilitar a entrada em algumas instituições de ensino superior. Foram usadas apenas as notas da parte objetiva da prova e daqueles participantes que também responderam ao questionário socioeconômico. Porém, uma questão a ser pontuada é que há uma chance maior de acertos em questões objetivas, uma vez que se pode acertá-las através de “chute”; logo, existe a possibilidade de dados superestimados quanto à qualidade do ensino. Os dados analisados mostram que entre as seis mesorregiões do Estado do Rio de Janeiro, foram o Norte e Noroeste Fluminense que apresentaram o pior desempenho, ficando cada uma com 41,1% e 43,2% respectivamente, entre todas as escolas. Podemos ver a disparidade da qualidade de ensino mesmo dentro dessas regiões, já que no caso do Norte Fluminense, por exemplo, as escolas estaduais ficaram com uma nota média de 31,97, valor este 47% menor que os 47 pontos alcançados pelas escolas particulares. A nota média das escolas particulares em todo estado foi 49,5, valor 49,1% maior do que a média de 32,2 das escolas estaduais. De acordo com os dados analisados pudemos constatar que as regiões Noroeste e Norte Fluminense são as que apresentam pior desempenho nas provas do ENEM. Porém, são as regiões Centro e Metropolitana que se destacam quanto à diferença na qualidade educacional entre as escolas particulares e  públicas.