EFEITO DA INFECÇÃO EXPERIMENTAL COM Libyostrongylus douglassii e Libyostrongylus dentatus, PARASITAS DAS AVESTRUZES, NO CONSUMO DE RAÇÃO E ÁGUA EM FRANGOS DE CORTE

  • Samira Salim Mello Gallo
  • Nicole Brand Ederli
  • Francisco Carlos Rodrigues de Oliveira
Palavras-chave: Nematóides, Gallus gallus domesticus, Struthio camelus

Resumo

A introdução e a produção de avestruzes no Brasil teve inicio no começo da última década. Uma variedade de espécies pode parasitar as avestruzes incluindo protozoários, helmintos e artrópodes, sendo a maioria encontrada no trato gastrintestinal. Ainda não foi determinado se nematóides gastrintestinais encontrados nas avestruzes, que levam as altas taxas de mortalidade entre estas aves, também podem infectar galinhas (Gallus gallus domesticus), sendo este o objetivo desta pesquisa. Inóculos foram padronizados contendo 4.500 e 500 larvas infectantes de Libyostrongylus. douglassii e Libyostrongylu dentatus, respectivamente. Quarenta e oito pintinhos de um dia de idade foram divididos em três gaiolas com 16 aves em cada. Os animais do Grupo 1 receberam diretamente no esôfago o inoculo padronizado. Os animais do Grupo 2, além do inoculo padronizado, receberam uma dose de 0,2 mg de dexametazona e os do grupo 3 somente receberam água destilada oral. Foram monitoradas diariamente as quantidades de água e ração que estavam sendo consumidos por cada grupo. Os resultados foram analisados através do Teste de Tukey com 95% de intervalo de confiança, utilizando-se o software SAEG. Foi observado que os animais do Grupo 2 consumiram mais água que os do Grupo 1 e 3 (P< 0,05). Foi observado, também, que as pintinhos dos Grupos 1 e 2 apresentaram diarréia até o 7o dia após infecção (DAI). Embora as aves do Grupo 1 tenham consumido mais água que as do Grupo 3, estas não foram consideradas significantes (P> 0,05). Até o 14o DAI os animais inoculados (Grupos 1 e 2) consumiram menos ração que os do Grupo 3, no entanto, esta diferença não foi significativa (P>0,05). Do 14o DAI até o final do experimento (52o DAI) o consumo variou entre os grupos, inclusive, com maior consumo do Grupo 2 em relação ao 1, mas sempre com maior consumo dos animais do Grupo 3 (controle). Conclui-se, portanto, que a infecção por nematóide gastrintestinais das avestruzes é capaz de alterar o consumo de água e ração de frangos de corte e que fatores estressantes podem influenciar negativamente no consumo. Este fato pode, secundariamente, influenciar no desempenho destas aves. * Sob os auspícios da UENF/FAPERJ

Biografia do Autor

Samira Salim Mello Gallo
Graduação em Medicina Veterinária e Bolsista UENF/PIBIC
Nicole Brand Ederli
Doutorado em Ciências Animal – UENF.
Francisco Carlos Rodrigues de Oliveira
Professor Associado LSA/CCTA/UENF.